Tag Archive | Parte Alemã da Suíça

Zurique: A cidade mais sofisticada da Suíça

Sofisticada, essa palavra define muito bem Zurique, a maior cidade da Suíça. Mesmo sendo a maior cidade do país, Zurique consegue ser menor do que muita cidadezinha de interior do Brasil, pois sua população não passa de 400 mil habitantes.

SONY DSC

Assim como eu, quem tem tendência a praticamente decorar as ruas de uma determinada cidade no google maps antes de uma viagem, já adianto: na Suíça não é preciso se preocupar com isso. Sério mesmo, as cidades são tão pequenas, que as atrações mais turisticas ficam todas concentradas e são super fáceis de serem encontradas. E Zurique, claro, não foge a essa regra.

SONY DSC

Então, no nosso ultimo dia de Suíça, fomos conhecer Zurique. Nos já estavamos hospedados ali fazia uns dias, mas aproveitando que os dias amanheciam com sol, resolvemos logo fazer os passeios pro Liechtentein e pra Lucerna (onde conhecemos os Montes Pilatus e Stanserhorn) e fomos deixando Berna e Zurique pro final.

DSC00389_1016x768

O nosso hotel ficava a uma quadra das margens do lago Zurique e do rio Limmat, então, em questão de pouquissimos minutos caminhando estavamos perto de todas as principais atrações da cidade. Praticamente tudo o que conhecemos fica as margens ou muito próximo a extensão por onde o rio Limmat passa.

DSC00378_1024x671

Pode-se dizer que praticamente tudo gira em torno da principal rua de comércio da cidade, a Bahnhofstrasse. É nessa região onde encontramos as lojas das marcas mais luxuosas e exclusivas do mundo e os cafés mais bem frequentados da cidade. E ainda se der sorte como nos, com certeza vai ser possível ver algum carrão de algum milionário estacionado pela redondeza. Como é uma rua só pra pedestres e apenas os bondinhos passa por ali, é uma ótima idéia aproveitar pra caminhar sem pressa por ali.

IMG_0313_1024x726

IMG_0325_1024x636

E é justamente nessa rua onde fica uma das maiores lojas da Confisserie Sprüngli de Zurique e da Suíça (eu já escrevi um post somente sobre esse lugar), onde nos aproveitamos pra ir algumas vezes. Vale muito a pena!

foto_1024x734

Outra ruazinha super bonita e charmosa que vale muito a pena conhecer é a Augustinergasse. Ela tem um estilo que lembra um pouco as ruazinhas medievais de algumas cidades da Inglaterra. Por ali estão diversos restaurantes, lojinhas de decoração e restaurantes.

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

Seguindo por esse labirinto de ruazinhas chegamos a região de Peterhofstatt, que fica no alto da colina de Lindenhof, um dos melhores lugares pra ver toda a cidade do alto. Antigamente, nessa região havia um forte romano, que servia pra proteger os Suíços contra as invações dos Alemães. Esse local também tem uma importancia histórica pro país, pois foi onde foi feito o juramento da constituição Helvética.

SONY DSC

SONY DSC

E é nessa região onde fica a Peterskirche, considerada a igreja mais antiga de Zurique. Junto com a Fraumünster e a Grossmünter são as principais igrejas da cidade. Nos conseguimos visitar. A parte externa da igreja é bem simples e o grande destaque mesmo fica por conta do relógio que fica na sua única torre externa, considerado o maior relógio da Europa com 8,7 metros de diâmetro.

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

Descendo a colina em direção ao rio Limmat, atravessamos a Münster Bridge em direção a uma das margens do rio Limmat, a Limmatquai, onde ficam várias casinhas antigas e coloridas, as famosas Guild Houses. Essas casinhas são super antigas, datam de 1336 e cada uma delas tem um estilo e cores diferentes. Nessa região também fica a Rathaus, a prefeitura de Zurique, com seu estilo único. Tudo muito bonito!

SONY DSC

SONY DSC

Seguindo por essa margem do rio Limmat, logo chegamos perto da Grossmünster, uma das poucas áreas da cidade onde encontramos lojinhas de souvenirs, onde meu pai e meu irmão aproveitaram pra comprar um autêntico canivete suíço pra trazer de recordação.

DSC00418_1024x716

SONY DSC

Nossa próxima parada foi na Grossmünster, a maior catedral e o maior cartão postal de Zurique. Essa catedral é antiiiiga, foi construída ainda durante o século 9 a mando de Carlos Magno. Dois grandes destaques são: as suas torres gêmeas (que dá pra subir) e os vitrais feitos por Augusto Giacometti.

SONY DSC

SONY DSC

Depois do almoço, aproveitamos pra conhecer a última igreja que faltava, a Fraumünster, que foi fundada alguns anos após a construção da Grossmünster a pedidos do neto de Carlos Magno. A igreja é super bonitinha e sua única torre verde pode ser vista de todas as partes da cidade.

SONY DSC

Mas com certeza, o seu maior destaque fica por conta de seus vitrais, onde os 5 grandes vitrais são obra de nada mais nada menos que Marc Chagall e um outro vitral unico, com mais de 9 metros de altura, é obra de Augusto Giacometti. Todos esses vitrais coloridos retratam partes da história cristã. Infelizmente as fotos da parte interna eram proibidas.

DSC00375_1024x735

E pra terminar o tour por Zurique, ainda fomos caminhar um pouco as margens do Lago Zurique, que impressiona por ter uma água tão transparente e limpíssima.

SONY DSC

SONY DSC

Como dá pra ver, Zurique é uma cidade super compacta, onde é possível conhece-la com tranquilidade em apenas um dia!!

Anúncios

Cabrio, no Monte Stanserhorn: o primeiro bondinho de dois andares da Suíça!

Dia 29 de junho de 2012, esse foi o dia em que o primeiro e mais novo bondinho da Suíça foi inaugurado. O Cabrio está localizado no Monte Stanserhorn, que fica na cidade de Stans, bem perto de Lucerna e do Monte Pilatus.

SONY DSC

O Stanserhorn tem 1.898 metros de altura e mesmo não sendo a montanha mais alta da região, o seu tamanho e estrutura impressionam. Mas a parte mais legal do passeio fica por conta do bondinho, que tem dois andares, sendo que o “primeiro” andar é fechado pela cabine e o “segundo” andar é totalmente ao ar livre. Uma sensação um tanto quanto diferente! E chega até a dar um medinho de encarar a aventura!

SONY DSC

Para ir até lá, o jeito mais fácil é pegar um trem que vá até a cidade de Stans. Chegando lá, ao sair da estação, é só seguir pro mesmo sentido que o trem que vinha de Lucerna estava indo. Ai é só seguir as plaquinhas e atravessar o trilho do trem no local apropriado e em questão de umas 2 quadras já vai dar pra ver a estação base do Cabrio.

SONY DSC

S1_1002x768

Os tickets podem ser comprados no Centro de Informação Turistica de Lucerna, que fica dentro da estação de trem. Foi isso que nós fizemos. Ou ainda, pela internet (que não aconselho, pq nunca se sabe como o tempo vai estar no dia em que o ticket foi comprado) e na bilheteria que fica dentro da estação de Stanserhorn, na base da montanha.

SONY DSC

A subida ao topo do Stanserhorn é feita em duas partes:

– na base da montanha pegamos um funicular bem antigão que nos leva até a estação de Kälti, que fica exatamente no meio do caminho. O trajeto leva uns 10 minutos mais ou menos. A paisagem pelo caminho é bem bonitinha, são campos e mais campos com muitas vaquinhas (com sininho). Cooooisa mais linda!!!

S5_1024x768

SONY DSC

IMG_0111_1024x618

SONY DSC

– na estação de Kälti é onde é feita a troca de meio de transporte, onde deixamos o funicular e pegamos o moderníssimo bondinho Cabrio. O trajeto também é relativamente rapidinho, levando no máximo uns 15 minutos. A partir dessa altura, começamos a ter uma visão mais geral dos Alpes e de toda a região.

SONY DSC

IMG_8194_1024x656

SONY DSC

SONY DSC

Esse é um daqueles passeios pra ser feito em um dia de céu azul e de preferência sem muitas nuvens, pra que a visão não seja prejudicada.

IMG_0151_1024x678

SONY DSC

IMG_8097_1024x650

IMG_8111_1024x683

Na tarde em que estivemos lá, o dia estava exatamente assim. Pra se ter uma idéia, dá pra ver boa parte da cadeia de montanhas que formam os Alpes Suíços (inclusive o Monte Pilatus e o Titlis), muitos e muitos lagos e até a Floresta Negra, na Alemanha.

SONY DSC

Monte Pilatus visto do Monte Stanserhorn

Monte Pilatus visto do Monte Stanserhorn

Monte Pilatus: O pico mais alto, a direita.

Monte Pilatus: O pico mais alto, a direita.

Monte Titlis, bem no meio da foto!

Monte Titlis, bem no meio da foto!

A estrutura do topo da montanha é boa. Tem um terraço enorme, onde podemos sentar e apreciar a vista enquanto comemos alguma coisa servida pelo restaurante Rondorama, que além de lanchinhos, serve também almoço e jantar. Além é claro, de venderem chocolates suíços, cervejas e vários outros tipos de bebidas.

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

Existe uma trilhazinha que permite que a gente chegue ainda um pouco mais alto, no topo mesmo da montanha. Lá tem uma espécie de mirante, com plaquinhas que informam onde ficam cada montanha, as cidades das redondezas, os lagos e as direções dos países que fazem fronteira com a Suíça. Tudo muito bem organizado! Vale muito a pena conhecer!

IMG_0154_1024x728

SONY DSC

IMG_8126_1024x677

IMG_8208_1024x694

S18_966x768

Esse ano a temporada de visitas ao Stanserhorn começou no dia 13 de abril e vai terminar em novembro. O Cabrio funciona todos os dias e os bondinhos tem saida a cada 10 a 30 minutos dependendo da época do ano.

Lucerna

O outro dia amanheceu chovendo em Genebra, e assim, resolvi pegar um trem e fui para a parte Alemã da Suíça, mais precisamente em Lucerna! Em exatas 2 horas e 50 minutos eu estava lá!

Lucerna!

Lucerna!

Lembro que enquanto planejava a viagem à Suíça, olhei umas mil vezes os mapas do Google, e anotei tudo, pra não me perder, pois eu ainda tinha uma pequena esperança de que as cidades Suiças não fossem tãão pequenas como todo mundo já tinha me dito.

...

...

E realmente, todas são pequenas, quer dizer, Genebra (segunda maior cidade do país ) era, Lucerna também, com os seus 76 mil habitantes, é uma cidade que está localizada bem no meio dos Alpes, as margens do rio Reuss, que deságua no Lago dos Quatro Cantões ou para os mais familiarizados, o Vierwaldstättersee!

Mapa com o nome de todas as montanhas, lagos, rios, cidades ao redor de Lucerna!

Como está na parte Alemã da Suíça, a lingua oficial é o alemão, mas todo mundo fala Inglês super bem. Deu pra se virar tranquilamente!

Torre da Água

Tudo em Lucerna gira em torno do rio e da Ponte da Capela, e pra onde quer que se olhe (em Genebra também foi assim), lá estão elas, as muitas montanhas e com o seus topos cobertos com neve!

A Ponte da Capela, de outro ângulo

Saindo da estação de Lucerna, aquela preparação toda e ver o Google Maps muitas vezes não saiam da minha cabeça, só de colocar a cabeça na porta da Estação, praticamente já vi todas as principais atrações da cidade (hehehe)!

A Estação de Trem de Lucerna

Comecei atravessando a ponte e segui andando pelas margens do rio, apreciando a vista dos Alpes e fui  conhecer a Hofkirche, com suas duas torres pontudas, também são um simbolo da cidade! Essa é considerada uma das igrejas mais valiosas da época do renascimento alemão.

Fiquei imaginando como seriam essas árvores no verão...

Hofkirche

...

Mas a grande atração de Lucerna fica por conta da Torre da Água, e a Ponte da Capela, que é totalmente feita de madeira. A ponte é super antiga, e foi construída ainda no século 14 para ligar a Cidade Velha com a Cidade Nova, cruzando o rio Reuss.

...

...

Totalmente feita de madeira meeesmo!

E a água bem limpinha!

...

E ainda tem mais, por toda a sua extensão, no teto, ficam 111 pinturas do século 17 e mostram uma parte da história da Suíça e da cidade. Em 1993, uma parte da ponte pegou fogo, e dos 111 painéis, 81 pegaram fogo e ficaram totalmente danificados, restando intactos os que estão mais nas extremidades da ponte.

...

...

Em algumas partes os painéis foram retirados pra restauração

...

A parte que pegou fogo!

Foto da noite em que pegou fogo!

Atualmente, os painéis que não sofreram danos e que estão nas extremidades da ponte, são os originais. A parte que estão sem os painéis, vão ficar assim, para que o incendio naquela noite não seja esquecido!

Praticamente em frente a Ponte da Capela fica a Igreja Jesuíta de Lucerna, com seu estilo barroco, dizem ser uma das Igrejas mais bonitas do país.

Igreja Jesuíta de Lucerna

...

E o ultimo lugar que visitei foi a Muralha (Musegg Wall), formada por suas 9 torres. A muralha também foi construída no século 14 e está praticamente intacta.

A muralha

O ínicio

Sinalização

Como era inicio de dezembro, periodo de inverno na Europa, a muralha estava fechada pra visitas, porém, há um caminho alternativo, que dá pra caminhar ao redor da muralha, mas pelo lado de fora! E vale a pena!

...

...

As Nove Torres, na frente de um restaurante

E foi assim, que terminou o dia em Lucerna, mas antes de voltar para a Estação de Trem, ainda tive tempo de parar em uma das milhares de lojinhas que vendem chocolates, souvenirs…

souvenirs

...

Para chegar em Lucerna, comprei o ticket na estação de trem de Genebra, nas máquinas mesmo. O trajeto é direto, ou seja, não precisa trocar de trem.

%d blogueiros gostam disto: