Arquivo | Milão RSS for this section

Tour no Estádio San Siro, em Milão!

Uma vez em Milão, eu não poderia deixar de conhecer um dos estádios mais famosos do país (e talvez do mundo) e que já foi palco de grandes disputas entre os dois principais clubes da cidade, o Milan e a Inter.

Pra quem não sabe, os dois times dividem o mesmo estádio, que recebe o nome oficial de Estádio Giuseppe Meazza, mas que acabou ficando mais conhecido com o seu “apelido”, San Siro.

Pretendendo visitar o estádio, a lojinha e o museu, tem que ficar ligado na tabela de jogos, pq em dia de jogos não tem tour. No sábado em que estive lá, não tinha nenhum jogo marcado, graças a Deus! hehehe

O tour é bem curtinho, tem duração de 30 minutos. Já pra visitar o museu e a loja, não existe tempo pré estabelecido, podemos ficar o tempo que quisermos. Em algumas épocas do ano, exceto no verão, não é preciso reservar o ingresso, dá pra comprar o ticket lá na hora.

Ao chegar no Estádio, é só procurar pelo portão número 14, que é onde está a bilheteria e também é por onde o tour começa.

Primeiro fizemos o tour no estádio, a guia é a mesma pra todos os idiomas. Primeiro ela explicava tudo em italiano, depois em inglês e por ultimo em francês.

O estádio foi construido pelo Milan, e anos mais tarde foi vendido a prefeitura de Milão. O estádio passou por diversas reformas, inclusive ganhou uma “decoração” mais moderna na parte exterior.

Basicamente, algumas coisas são pré definidas no estádio, especialmente em dias que acontecem o famoso clássico da cidade entre Milan x Inter.

O estádio tem 3 andares, exceto a parte que fica de frente para a tribuna, que tem 2 andares. Como nos estavamos na parte vip, logo abaixo de onde fica a ala reservada pra imprensa, olhando pro lado esquerdo e com as cadeiras de cor verde, ficam a torcida da Inter…

Já no lado direito, onde as cadeiras são azul, ficam a torcida do Milan. Sim, as cadeiras com as cores do time rival não incomodam os torcedores do Milan, que dizem não se importar e ainda dizem que o azul é a cor que representa a Seleção Italiana, e só por isso eles não se importam!

Já a ala vip, as cadeiras são vermelhas..

O próximo passo foi visitar os vestiários das duas equipes. Primeiro fomos conhecer o vestiário do Milan, super moderno e extravagante, seguindo o mesmo padrão do seu dono, Silvio Berlusconi.

As cadeiras são de couro, cada jogador tem seu espaço personalizado pra deixar suas coisas e mais, cada um tem sua própria televisão de plasma. Que tal, hein?!?!

Já o vestiário da Inter é beeem mais modesto. Nada de decoração super elaborada, o banco é coletivo e cada um deixa suas coisas espalhadas pela salinha.. A Inter tá precisando investir um pouquinho e melhorar o seu vestiário!!

E pra terminar, passamos pela sala de coletiva de impressa..

Depois disso, a guia nos deixa na porta do Museu, que foi inaugurado no final da década de 90 e foi um dos primeiros museus a estar dentro de um estádio.

Na coleção, estão tanto objetos, troféus, bolas, chuteiras, objetos de arte e camisetas de ambas as equipes. Tem uma ala com uma coleção histórica de camisetas usadas por Mazzola, Zidane, e tinha até uma que pertenceu ao Pelé e outra ao Maradona.

Ainda tem um cinema dentro do museu, onde dá pra assistir um filminho que mostra um poco da história de cada uma das equipes mostrando imagens dos principais momentos, titulos e jogadores da história do Milan e da Inter.

E pra terminar, tem uma ala onde estão 12 estátuas feitas de cera dos principais idolos de cada um dos clubes..

E antes de ir embora, ainda passei rapidamente pela San Siro Shop, a lojinha do estádio. Lá é possivel encontrar tudo o que se possa imaginar de produtos com o emblema das duas equipes.

Para fazer o tour, o estádio abre todos os dias, das 10:00 as 17:00, sendo que o ultimo tour é as 16:00 pra que se tenha tempo de visitar também o museu e a loja. Também dá pra visitar o museu sem fazer o tour ou vice-versa.

Pra quem tiver tempo, a melhor opção pra dar uma voltinha pela cidade é pegar o Tram 16, que parte da Piazza Fontana, perto do Duomo e a parada final fica bem em frente ao portão 14, é só atravessar a rua. O valor do bilhete do bondinho é de 1,00 euro e pra comprar tem que achar uma Tabaccaria, pq o motorista do tram não vende os tickets. Inclusive esse tram número 16 parava em frente ao Teatro Nazionale, onde fui assistir o Musical Mamma Mia, logo mais, ainda naquela noite!

24 horas em Milão!

Sempre ouvi falar que Milão era uma cidade business total e que tinha poucas atrações turísticas pra visitar. Nos meus planos de aproveitar ao máximo cada final de semana durante meu intercâmbio, achei que seria legal ir à Itália pra sentir um pouco do clima festivo dos italianos e ver de perto como é o país do qual tenho decendência.

As opções partindo de Edimburgo para a Itália com a Easyjet eram bem reduzidas, e a unica cidade que achei que conseguiria dar conta em um unico final de semana seria Milão!

Muito se enganam as pessoas que acham que Milão não tem nada tão turistico e acabam deixando a cidade pra segundo plano. Enquanto eu organizava esse viagem, descobri mil coisas pra fazer por lá e olha que não foi fácil priorizar.

Minha primeira parada foi a Basílica Santa Maria delle Grazie, para ver a Ultima Ceia de Leonardo da Vinci, como eu já contei nesse post aqui. Tive muita sorte de conseguir comprar um dos ingressos que são super disputados!!

Dali, segui caminhando até a Piazza Duomo, onde fica um dos principais simbolos da cidade, o Duomo! E realmente o Duomo é impressionante! Não é atoa que é a quarta maior Catedral de toda a Europa. Seu estilo gótico é inconfundivel e ao ver de perto todos aqueles detalhes, estátuas e torres dá pra entender pq ela demorou mais de 400 anos pra ser construída.

Pra quem quer ver de perto todos esses detalhes das torres, é possível visitar o seu terraço. O ticket pode ser comprado no site e existem basicamente dois tipos de ingresso: pra subir a pé pelas escadas (mais barato, obvio) e de elevador (na época paguei 11,00 euros)! A diferença entre os tickets é até consideravel, mas depois do trauma nas escadarias da York Minster, em York.. achei que valia a pena pagar um pouco mais e ir de elevador!

O voucher que a recebi no email, deve ser trocado. E pra evitar o corre-corre pra lá e pra cá, já vou explicar o que eu demorei mais de 40 minutos pra encontrar, isso pq ninguém sabia me dizer onde era o tal lugar! O ticket tem que ser retirado na Duomo Info Point, que fica atrás da Catedral, seguindo pelo lado direito, la no fundo dá pra ver o toldo do lugar (esse da foto abaixo)!

Para ter acesso ao elevador/escadas é só atravessar a rua. Pra subir de escada tinha até uma fila consideravel, porém como eu fui de elevador, subi só eu! A subida é rapidissíma, em questão de segundos eu tava no topo do Duomo. Um detalhe importante, tem que manter o ticket até o final da visita, pq vi gente reclamando que tinha subido de elevador e sem mostrar o devido ticket, vai descer de escada! Ainda bem que eu tenho mania de guardar tudo até o final da viagem, somente quando já estou no aeroporto eu faço a limpa na minha bolsa. Então, fica a dica!

As torres realmente são incriveis, as estátuas perfeitas! Fiquei pelo menos uns 30 minutos lá observando e fotografando cada detalhe. Inclusive dá pra ver mais de perto a Madonnina, a estátua dourada (dizem que feita totalmente de ouro) que está bem no alto da Catedral. Lindíssima!

Ao contrário da torre, para visitar o interior da Catedral o acesso é gratuito. E assim como por fora, por dentro o Duomo também impressiona! Conforme vamos caminhando pelos corredores, é impossível não observar a grande quantidade de estátuas de mármore que tem por todas as partes. Uma mais bonita que a outra! Os vitrais também são muito bonitos, mas o que eu gostei mesmo foi do piso. Normalmente as grandes Igrejas e Catedrais tem piso simples, mas no Duomo são “enfeitados”, reparem só..

Com a demora que tive pra encontrar o lugar pra retirar o ticket pro topo do Duomo, acabei almoçando na Galleria Vittorio Emanuele, que fica na mesma praça que o Duomo.

A Galeria, assim como a Catedral, é outro grande simbolo de Milão e parada obrigatória para todos que visitam a cidade! O acesso é feito através de 4 grandes arcos, um em cada “lado” da Galeria, que tem o formato de cruz. Ali, é possivel encontrar tudo de mais tradicional que a Itália pode oferecer, são restaurantes e cafés, assim como lojas de marcas italianas super consagradas.

A decoração interna é impressionante, super luxuosa e impossivel não reparar no domo de vidro, alias, todo o teto da galeria é de vidro, coisa mais linda! E enquanto eu almoçava, fiquei olhando cada detalhe.

Das muitas opções que existem na Galeria, eu escolhi Savini – Ristorante Caffe Bistrot. E como ir a Milão e não provar um risotto alla milanese? Foi justamente isso que pedi! O risotto é feito com vinho branco, cebola, açafrão e queijo parmesão ralado. Uma delícia!

Atravessando a Galeria, fui ver o Teatro Alla Scala, uma das casas de ópera mais famosas do mundo. Dá pra visitar o teatro, mas como meu tempo era curto, me contentei em ver só por fora. Meus pais conseguiram assitir, em janeiro de 2010, uma das operas de Giuseppe Verdi, o Rigoletto, ali. Eles falaram super bem do lugar, inclusive comentaram que a decoração e a acustica são perfeitas! Ahh, e foi justamente ai que Verdi começou sua carreira com a Opera Oberto ainda em 1839.

Na pracinha em frente, tem uma estátua em homenagem a Leonardo da Vinci, super bonita!

Saindo dali, fui procurar pela Mega Loja da Ferrari que está localizada pela redondeza. A loja é realmente enooorme, nem sei ao certo quantos andares são, mas são muitos.

Tudo o que vc possa imaginar de produtos com a marca Ferrari estão ali, inclusive tem um carro de formula 1 pra quem quiser simular como se estivesse disputando um campeonato.

Dá pra tirar foto sentado no carro, mas só com o proprio pessoal da loja. Tem um guardinha que fica andando de um lado pro outro, cuidando pra que os turistas não tirem fotos com as suas próprias máquinas!

Voltei até a Piazza Duomo e ali foi caminhar pela Via Dante, um calçadão movimentadíssimo, cheio de lojas, cafés e restaurantes. Esse calçadão liga o Duomo ao Castello Sforsezco, que foi a minha próxima parada.

O Castelo era a residencia da familia Sforza e pertencia ao Duque Sforza que era quem comandava o Ducado de Milão naquela época. O Castelo acabaou se destacando, além de sua estrutura, também pela sua localização estratégica, que ficava entre o restante do Continente Europeu, Africa e Oriente Médio.

Hoje em dia, o Castelo foi transformado em um museu e lá estão algumas obras de Da Vinci e  Michelangelo.

Inclusive é lá onde está a obra inacabada Pietá Rondonini, que foi uma das ultimas obras em que Michelangelo estava trabalhando, quando veio a falecer.

O acesso ao museu é pago, mas para circular pela area interna do castelo não é preciso pagar nada.

E logo “atrás” do Castello Sforzesco, fica o Parco Sempione, um dos maiores parques públicos de Milão. Como era inicio de outono quando eu visitei a cidade, fiquei imaginando como estariam aquelas arvores no final da estação, variando em tons de marrom, vermelho e amarelo e envolvendo a versão italiana do Arco do Triunfo, o Arco della Pace. Deve ficar muito bonito!

E pra finalizar meu passeio pelo centro de Milão, eu não poderia deixar de passar numa das muitas sorveterias espalhadas pela cidade e provar um autentico gelatto italiano. Eu tinha visto na internet, que uma das sorveterias da moda era a Chocolat.

E a localização não poderia ser melhor, ela fica grudada ao Parque Sempione. Passei por ali rapidinho e peguei um sorvete de canela, um dos mais famosos da casa. Excelente escolha, o sorteve era realmente muito bom.. alias, todos os sorvetes italianos que provei fazem total jus a fama!

E dali, fui até a estação de trem Cadorna pra pegar um táxi até o Estádio San Siro, tema do próximo post!

Última Ceia, na Basílica Santa Maria delle Grazie

Que toda viagem exige um planejamento com meses e meses de antecedência, todo mundo sabe. Mas uma coisa que muita gente não sabe é que a mesma regra vale para quem pretende ver bem de pertinho a Última Ceia, obra de Leonardo da Vinci que está no refeitório da Basílica Santa Maria delle Grazie, em Milão.

Quando eu fui tentar comprar o ticket através do site indicado pelo site oficial, tinha um aviso dizendo que apenas 3 meses antes da data escolhida os ingressos estariam a venda. Então eu fiz uma observação enorme no meu desktop pra eu não esquecer desse detalhe.

Exatamente 3 meses antes, estava eu conectada no site, em plena madrugada, pra tentar garantir o meu ticket. E adivinha? Em questão de 5 minutos TODOS os ingressos pro mes de outubro e novembro estavam esgotados! Nossa, fiquei enlouquecida! Como os ingressos “evaporaram” em questão de 5 minutos? Como pode uma coisa dessas?

Minha segunda opção foi vasculhar a internet e tentar achar uma solução pra isso, e foi ai que eu descobri que as agências italianas compram todos os ingressos pra revender pelo dobro ou até o triplo do preço. Fiquei indignada, até parece coisa de Brasil!

Como eu não tinha nenhuma referência ou nem mesmo conhecia nenhuma agência italiana pra comprar o ingresso logo de cara, a primeira coisa que me veio em mente foi: eu sempre leio o blog da Luisa e ela mora em Milão, talvez ela possa me indicar alguma coisa. E ela acabou me indicando o site Tick Italy e foi nesse site ai que eu comprei o meu ingresso. Mas pensa que o stress acabou? Que nada!

Na mesma hora que eu recebi a resposta da Luisa eu entrei no site e praticamente todos os horários pro dia 09 de outubro já estavam vendidos. E olha que a Basílica abre das 08:15 até as 19:00 e tem visita saindo a cada 15 minutos. Gente, organizar uma viagem pra Itália exige muuuita paciência e organização!

Bom, os dois unicos horários que tinha era as 09:45 e as 12:15. Eu acabei optando pelas 09:45, mas só pra que a logistica e ordem das atrações que eu queria visitar ficariam distribuidas com uma certa lógica dentro do mapa da cidade.

Então sábado de manhã eu literalmente madruguei, isso pq na confirmação da compra que recebi no email, dizia que era aconselhado chegar com pelo menos 30 minutos de antecedência pra retirar o ticket na bilheteria.

Como eu não sabia se ia ter fila ou não, eu cheguei com uma boa antecedência, entrei direto pra trocar o voucher pelo ticket e a mulher na recepção me encaminhou pra uma salinha ali perto.

Nessa sala estão alguns painéis explicativos sobre a obra, a vida de Leonardo da Vinci, o refeitório da Basílica e a forma como foi feita a restauração da pintura. Nossa, os 30 minutos que fiquei ali passaram voando!

Pontualmente as 09:45 a guia nos chamou, conferiu nossos tickets e nos tivemos acesso a uma ala toda fechada com vidros, com vista pro jardins do convento. Ali ela explicou um pouco sobre como seria a logistica da visita.

A sala onde está a pintura tem iluminação indireta, bem fraquinha. A temperatura e umidade são controladas por um sistema. E isso sem falar que as fotos não são permitidas e inclusive, a guia teve que desligar o alarme antes de abrir a porta pra que o grupo tivesse acesso ao refeitório. Nossa, fiquei impressonada com o esquema de segurança e com o cuidado com a obra!

Mas pra quem não sabe, a Basílica Santa Maria delle Grazie fica bem próximo as demais atrações turisticas de Milão e lá está uma das obras mais famosas de Leonardo da Vinci, a Ultima Ceia. Como o próprio nome sugere, representa a cena da ultima ceia de Jesus Cristo com os apóstolos antes de ser preso e crucificado como descreve a bíblia.

Em 1492, o Duque de Sforza contratou Da Vinci para pintar o afresco numa das paredes do refeitório do convento que faz parte da Basílica. O afresco demorou um pouco mais de 3 anos para ficar pronta, apesar de Leonardo não ter trabalhado de forma continua nessa obra.

Da Vinci resolveu testar uma nova tecnica de pintura, igual a usadas em panelas, que secam mais rapido, mas o que ele não sabia era que essa tecnica era bem fajutinha e não durou por muito tempo. A Última Ceia passou por muitas e muitas restaurações.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o convento foi bombardeado e sofreu muitos danos, mas por sorte, o pessoal teve a idéia de colocar alguns sacos de areia para proteger essa parede e evitar que ela viesse a desmoronar. Mas com as vibrações emitidas pela explosão das bombas, a pintura ficou muito danificada.

Foi ai que começaram os ultimos trabalhos de restauração, e conforme a guia ia explicando, ela nos mostrou os erros grotescos e visiveis que foram cometidos durante o processo. Uma pena!

Foi uma experiencia bem legal ver de pertinho uma obra tão valiosa e protegida!

Na saida, tem uma lojinha de souvenirs bem legal, com bastante coisas bem bonitinhas! Comprei meus imã de geladeira e uns cartões postais lá!

Cartão postal

Um outro detalhe, as visitas são limitadas a 25 pessoas por vez e como já disse, a visita dura somente 15 minutos.

Obs.: os ingressos também podem ser comprado pelo site Viva Ticket, como dá pra perceber no meu ticket!

Musical Mamma Mia, em Milão

Sábado passado enquanto estava em Milão, fui assitir o consagrado Musical Mamma Mia no recém reformado Teatro Nazionale, em Milão. Assim que comprei a passagem pra Milão já comecei a pesquisar sobre as atrações e eventos na cidade e foi ai que descobri que o musical estaria em cartaz.

Como comprei com graaande antecedência, ainda tinham muitos ingressos disponiveis e eu consegui pegar um ótimo lugar. Comprei diretamente no link que o site oficial direcionava e recebi a confirmação por email.

 

Quando cheguei lá no teatro, fui direto na bilheteria retirar o ingresso. É necessário apresentar, além do voucher de confirmação da compra do ingresso enviado por email, o cartão de crédito usado na compra e o passaporte.

Com o ingresso na mão, fui jantar ali perto e ainda tive tempo de ir numa sorveteria, a Gelateria Marghera. Gente, aquilo é o paraíso, além de diversos sabores de sorvetes ainda tinha tortas, docinhos e muitos outras coisas. Peguei o sorvete de chocolate, muito bom! Aliás, os sorvetes italianos fazem jus a fama que tem, e são realmente muito bons!

O inicio do musical tava marcado para as 20:30, resolvi chegar um pouco antes para conhecer o teatro que tinha sido recém reformado. A arquitetura é bem moderna, a sala onde ia acontecer a apresentação é enooorme e bem espaçosa.

Como todo mundo sabe, o musical segue o mesmo esquema do filme, então o enredo não é surpresa pra ninguém. Mas e como foi assitir um musical em italiano? Olha, nunca estudei italiano na vida, meu italiano se resume ao que já ouvi nas novelas da globo, mas como eu já sabia a história decor, não tive dificuldade de acompanhar. Não entendi 100% do que eles falavam, mas muita coisa dá pra enteder sim!

A trilha é totalmente inspirada nas músicas do grupo sueco ABBA. E quanto a história, o musical se passa em uma pequena ilha da Grécia e conta um pouco da vida de Sophie e sua mãe. Sophie vai se casar e na cerimônia ela gostaria que seu pai a levasse ao altar. E o problema é justamente esse, ela não sabe quem é o seu pai. Sendo assim, ela resolve enviar o convite do seu casamento, sem que a sua mãe saiba, ao 3 homens que se envolveram com sua mãe no passado e que tem grandes chances de ser seu pai.

No final da apresentação todo mundo pediu bis e eles voltaram ao palco e cantaram a musica mais famosa e que dá titulo ao musical, foi show de bola! Todo mundo super empolgado cantando e dançando muito! Os italianos adoram uma “festa”!!

Quando estiver em duvida em qual musical assistir, Mamma mia será uma ótima escolha! Eu gostei bastante, recomendo!

Roteiro: Milão, Itália!

Continuando minha saga de cada final de semana num lugar, dessa vez o destino foi Milão, na Itália!

Milão, assim como Belfast, têm 2 aeroportos: Aeroporto de Milão Malpensa (IATA: MXP) e o Aeroporto de Milão Linate (IATA: LIN).

Como eu queria um voo direto entre Edimburgo e Milão, a unica opção foi com a companhia de baixo-custo EasyJet, velha conhecida de muita gente, mas completamente estranha pra mim!

Sim, foi o meu primeiro voo com a cia aérea, e confesso de gostei bastante, tirando a alteração que fizeram de ultima hora no meu voo de volta, tornando a minha viagem muito mais curta!

O que era pra ser um final de semana em Milão, acabou se tornando em uma “maraturismo” pela cidade, pq tive que me virar e fazer tudo em apenas um dia, já no domingo nem pude fazer nada a não ser levantar e ir direto pro aeroporto.

No final das contas, essa foi a viagem poderia facilmente receber um troféu, foi a que eu mais me enrolei pra reservar hotel, mas acabou se tornando a mais bem planejada, tinha tempo cronometrado em cada lugar, pra vencer e dar conta de fazer tudo o que eu queria. Thanks Easyjet!!

Em resumo, o final de semana ficou assim:

– sexta-feira só tive tempo para conhecer a Galleria Vittorio Emanuele e depois fui direto pro hotel;

– sábado, levantei cedíssimo e fui direto para a Igreja Santa Maria delle Grazie especialmente para ver a Última Ceia de Leonardo da Vinci, depois fui conhecer o Duomo e seu terraço, por proximidade acabei almoçando na Galleria Vittorio Emanuele, conheci a Loja da Ferrari, segui caminhando para o Castelo de Sforzesco e fui caminhar um pouco pelo Parco del Sempione. De táxi, segui até o Estádio San Siro, onde fiz o tour e visitei o museu. Lá peguei o bondinho e fui até o Teatro Nazionale, onde iria assistir ao Musical Mamma Mia.

Ufa! até me cansei ao descrever tudo isso, mas no fim das contas deu tempo de fazer tudo tranquilamente e ainda fiquei umas 2 horas caminhando por Milão até o Musical começar.

– domingo, sem tempo pra mais nada, fui direto pro aeroporto.

Como o voo da Easyjet desembarcava no Aeroporto de Malpensa, o jeito mais fácil e barato é através do Malpensa Express, um trem que liga de forma direta o aeroporto até a Estação de Cadorna, no centro da Milão.

Quem viaja de Easyjet vai desembarcar no Terminal 2, e para pegar o Malpensa Express, temos que nos deslocar até o Terminal 1, de onde parte o trem a cada 30 minutos. O trajeto entre os dois terminais é feita por um ônibus gratuito que o próprio aeroporto disponibiliza e tem duração de uns 10 minutos.

Chegando no Terminal 1, as opções para comprar o ticket são: máquinas self-service e os atendentes no balcão. Comprei com os atendentes no balcão somente o bilhete de ida, pq só podemos comprar o bilhete pro dia que vamos usar (lá ainda não tem o esquema de comprar ida e volta pra pagar menos).

Para chegar na plataforma de embarque, temos que descer através de uma esteira rolante até o andar inferior. O trem já estava lá, e em questão de poucos minutos partiu. Um fiscal passou verificando os bilhetes e em 40 minutos eu estava no centro de Milão.

Na volta fiz o mesmo esquema, mas dessa vez tive que comprar o bilhete na máquina self-service, e já aviso, só aceitam dinheiro e moedas.

A primeira impressão da Itália foi boa, mesmo sendo em uma cidade business total, achei que turisticamente falando, Milão não fez feio não, tem muitas atrações. Achei a cidade meio caótica, mas foi pra ter uma pequena noção do que é esse pequeno país do qual tenho descendência!!

%d blogueiros gostam disto: