Arquivo | Amsterdã RSS for this section

A colorida Amsterdam ArenA

por Raul Bartolamei

Uma atração imperdivel em Amsterdam é o  estádio Amsterdam ArenA, considerado o maior estádio da Holanda. A casa do Amsterdamsche Football Club AJAX tem capacidade para 51 mil espectadores e o melhor de tudo, está aberto a visitação pública.

Existem varias formas de se chegar lá, de metro (descer na estação Amsterdam Bijlmer ArenA), de trem (quem vai no sentido Zaanze Schans), de ônibus e de táxi. Nos optamos em pegar um táxi, pra não perder tempo. Como estavamos em 3 pessoas, o valor da corrida saiu mais em conta.

Chegando lá, o taxista nos deixou na entrada E (lado oeste do estádio). Ali, compramos nossos ingressos para a visita. Tivemos que esperar um pouco, até que o guia nos chamou.

Logo na entrada, tem uma maquete do estádio, que nos deu uma boa idéia do seu tamanho. Gigante! A maquete também mostra um pouco da estrutura do local, como por exemplo, embaixo do estádio passa uma avenida super movimentada e ainda tem duas estações de trem/metro nos arredores, facilitando o acesso dos torcedores ao estádio.

O tour tem inicio pela parte mais baixa da arquibancada. Apesar de possuir um espécie de um fosso entre a arquibancada e o campo, ainda assim foi possível dar aquele desejado toque no tapete verde do campo de futebol. Ainda podemos ver de perto todos os aparatos para manter o gramado verdinho.

Nesse trajeto, o guia que era muito animado, foi nos explicando como funciona o estádio, nos repassou alguns dados importantes como capacidade de torcedores em dia de jogos, capacidade de publico quando tiver outros eventos, como show de música (65 mil pessoas), por exemplo. No final dessa primeira parte, o guia nos deu um tempinho livre pra tirarmos as fotos.

O guia comentou também que esse estádio foi um dos primeiros do mundo a ter teto retrátil, e por esse motivo, o gramado não recebe a quantidade de luz solar adequada, o que tem gerado alguns problemas. Para amenizar esse “estrago”, o estádio teve que adquirir um equipamento luminoso, que simula os efeitos do sol, e assim, a grama consegue crescer perfeitamente. Outra curiosidade que o guia comentou, é que para abrir e fechar o teto retrátil, o tempo total é de 18 minutos.

Seguimos para a sala de coletiva de imprensa, onde diretores, jogadores e o técnico concedem entrevista a jornais e a programas de televisão.

Nossa próxima parada foi o segundo anel do estádio. Nessa parte também fica a Ala VIP, onde as cadeiras são de couro, com número limitado de pessoas e um barzinho especial para servir os torcedores. Uma estrutura impressionante! O guia nos deu mais um tempinho para as fotos.

E pra terminar, a ultima ala a ser visitada foi o Museu do AJAX, onde fica a Sala dos troféus. Lá podemos ver, além de camisetas usadas ao longo da existencia do clube, os troféus mais importantes que o AJAX conquistou, como por exemplo, 4 Champions League, 1 Copa Uefa e 31 Campeonatos Holandês.

Ainda temos acesso a lojinha do clube, com todos os tipos de souvenirs, objetos, camisetas, enfim, tudo o que pudermos imaginar com o escudo do clube.

Os ingressos também podem ser comprados tanto lá no próprio estádio, como no site oficial. Existem dois tipos de tickets: apenas o tour no estádio + museu ou o ticket tour no estádio + museu + vestiários. Os tours acontecem todos os dias, sempre na presença de um guia, entre 11:00 e 17:00 horas, os horários de saida pré-determinados, é bom checar no site os horários certinho.

Ahh, ainda como curiosidade, a família real tem um camarote particular no estádio, com capacidade para 42 pessoas e é totalmente climatizada.

Palácio Real de Amsterdam

por Raul Bartolamei

Meu irmão e meus pais estiveram em Amsterdam algumas semanas antes do Palácio Real fechar para reformas, sendo assim, pedi pro meu irmão contar um pouco de como é a visita em um dos três palácios oficiais que ainda são utilizados pela Realeza Holandesa.

O Palácio Real, também chamado de Koninklijk Paleis te Amsterdam, tem uma excelente localização, e fica em uma área extremamente turísitca da cidade. Junto com o Palácio, ainda podemos encontrar na mesma praça, a Dam Square, muitas outras atrações, como a Nieuwe Kerk, o Museu de Cera Madame Tussaud, e no lado oposto ao Palácio Real, fica o Monumento Nacional, construído para prestar uma homenagem a todas as pessoas que morreram durante a Segunda Guerra Mundial.

A arquitetura exterior está longe de ter a beleza de outros Palácios, tanto na Holanda quanto em outros países da Europa, mas vale a pena ser visitado.

Passando pela rua, nem dá pra dizer que um dia a Família Real Holandesa já utilizou como residência oficial, pq o palácio da a impressão de ser muito pequeno, o que de fato ele realmente é, quando comparado com o Palácio de Buckingham, por exemplo. Hoje em dia, o palácio é usado apenas em eventos, recepções oficiais e premiações, e com isso, nos outros dias, está aberto a visitação pública.

O Palácio começou a ser construído em 1648, quando Amsterdam passava pela sua melhor fase, fosse no desenvolvimento da cidade ou no surgimento de novos pintores, até então desconhecidos.

Mas a sua história é um pouco curiosa, pois foi construído para ser sede da Prefeitura de Amsterdam, mas quando foi “invadido” por Louis Bonaparte, irmão de Napoleão Bonaparte, ele fez do palácio sua residência oficial. Desde então, mesmo depois que os holandeses recuperaram seu território, o palácio continuou sendo residência real, porém dessa vez, o novo Rei era William I da Holanda.

O interior do palácio pode ser visitado todo os dias (desde que não haja eventos oficiais). Por sorte, nos dias em que estavamos lá, não haviam eventos agendados, então conseguimos visitar.

Depois de comprar o ingresso, quem quiser pode pegar o audio guide para aproveitar melhor a visita. Nos pegamos. Depois entregar nosso ticket para um funcionário do Palácio, logo em seguida passamos por um detector de metais, semlhante ao que estamos acostumados a ver em aeroportos.

Ao contrario do seu exterior, a parte interna do palácio é super decorada. A primeira parada que merece destaque é a Sala dos Cidadões (Citizen’s Hall), todo decorado em mármore, com pinturas e lustres muito bonitos. No centro dessa sala, ficam dois mapas mundi que mostra de forma detalhada os lugares que foram colonizados pelos holandeses. Esses mapas são incompletos, pois só mostra os lugares que a Holanda conquistou.

Já na Sala dos Burgomestres, foi onde aconteceu em 1949 a cerimônia onde a Rainha Juliana e a Holanda aceitaram e concederam a independencia a Indonésia, antiga colônia holandesa.

As outras alas e partes do Palácio que temos acesso, são super bem decoradas, passamos por vários ambientes, muitos quartos e salas, tudo de muito bom gosto.

Junto ao Palácio, ainda tem uma ala onde podemos ver exposições temporarias, tanto de pinturas como esculturas ou homenagens a pintores holandeses.

A visita em si, não é muito demorada, em questão de 1 hora dá pra ver tudo. Os ingressos, nós compramos lá na hora mesmo. As filas são quase inesistentes, então não há necessidade de comprar antecipadamente pela internet.

Rijksmuseum – Agora também no Aeroporto de Schiphol

Alguém sabia da existência de um mini-museu no Aeroporto de Schiphol???????? Então, o Rijksmuseum mantem um espaço no aeroporto de Amsterdam, e acreditem ou não, existe desde 2002. Nossa, eu não tinha idéia da existência. Só mesmo na Holanda pra isso acontecer!

Não sei se esse projeto é pioneiro em aeroportos, mas sei que fiquei impressionada. Achei a idéia maravilhosa! Todos os aeroportos deveriam ter um museu!

Pq pensa bem, sempre temos que chegar com algumas horas de antecedência, e nada melhor do que ter um museu por lá para ajudar a passar o tempo!

O devo dizer que a empolgação inicial por saber da existência do museu foi inversamente proporcioonal ao seu tamanho. Ele é beeem pequeno!! Tem apenas dois andares, onde no primeiro andar, fica a lojinha de souvenirs e no segundo é onde estão expostas algumas obras da coleção do museu, que geralmente ficam entre 6 a 10 quadros expostos ali!

Eu tive oportunidade de ver a exibição chamada de ‘Dutch Girls and The Golden Age’, onde a maioria dos quadros pintados eram de mulheres que, pertenciam a famílias nobres, e/ou que se casaram com maridos que pertenciam a famílias nobres, durante o século 17.

Também tinha uma maquete da sede principal do Rijksmuseum, que fica no centro de Amsterdam. Ela mostra como o museu vai ficar após passar pela reforma que está prevista para terminar somente em 2013.

Holland Boulevard

O museu abre diariamente, das 06:00 as 20:00. Está localizado atrás do controle de passaporte, no Holland Boulevard (com algumas lojinhas de souvernirs, floriculturas e ainda tem uma biblioteca), entre as áreas de embarque E e F (dentro da área de embarque, é claro!!). Quem está chegando no aeroporto, como foi o meu caso, deve caminhar pro lado direito. A entrada é gratuita!

Os canais de Amsterdam

Uma das primeiras coisas que vem a nossa cabeça quando pensamos em Amsterdam, além dos Coffee Shops e do Red Light District, são os vários canais que estão espalhados pela cidade.

Se olharmos bem o mapa aéreo do centro de Amsterdam, vai da pra perceber que tudo gira em torno da Centraal Station, a principal estação de trem da cidade. Dali ‘partem” muitos e muitos canais!

Os canais principais, funcionam mais ou menos como as vias rápidas em terra. Os canais mais centrais e que merecem uma visita são: o Prinsengracht (Canal do Príncipe), o Herengracht (Canal dos Lordes), o Keizersgracht (Canal do Imperador). O Prinsengracht é mais movimentado, isso por conta do Museu-Casa Anne Frank.

Em números, são mais de 1.200 pontes que cruzam mais de 160 canais. Bastante, hein!?!?

Os prédios que ficam as margens desses canais são super bonitinho! Alias, a arquitetura holandesa de um modo geral é muito bonita. Realmente me agradou!

Isso sem contar nas casas-barco, que servem tanto de residencia e museu, como restaurantes!

Os canais são usados como uma importante via de deslocamento na cidade. Além de pessoas terem e usarem seus próprios barcos como se fossem carros, podemos encontrar algumas empresas que oferecem passeios de barco pelos canais.

Recentemente (em agosto de 2010) os canais de Amsterdam foram incluidos pela Unesco na lista de Patrimônio da Humanidade. Com isso, as leis ficaram mais rigidas, e assim, não são mais permitidos modificações ao longo de todos os canais.

Ainda dá pra fazer um passeio de barco pelos canais, e empresas oferecendo o serviço pelo centro da cidade não vão faltar. Eu não fiz o passeio, mas meus pais e meu irmão fizeram. Segundo eles, os melhores lugares para pegar os barcos ficam próximos a Estação Central (mas existem saidas de outros lugares também)…

O passeio dura aproximadamente entre 1 hora e meia a 2 horas e percorre os principais canais, inclusive dá pra ver algumas atrações pelo caminho.

Heineken Experience, em Amsterdam

Além dos muitos e muitos museus legais, Amsterdam tem uma outra atração imperdível: o Heineken Experience!

O ‘museu’ está localizado no local da primeira fábrica da cerveja. O prédio foi construído em 1867, e a fábrica ficou em funcionamento nesse local até 1988, quando foi decidido que ela seria transferida para a área metropolitana de Amsterdam. A reforma e o processo de transformação do galpão em um museu levou aproximadamente 3 anos para ficar pronto.

Como sempre, eu comprei meu ticket pelo site oficial e ao chegar lá já pulei a fila enooorme que tinha ali no hall de entrada.

Logo na entrada tem um mapinha mostrando onde a cerveja é vendida. Praticamente no mundo todo!

A recepção não poderia ser melhor, entramos direto numa reprodução de um bar, onde atras do balcão fica um telão onde recebemos as boas vindas e algumas informações sobre a cerveja. O filme é bem rapidinho, acho que não dura 5 minutos.

 

A próxima parada é num local onde existem varias opções de paineis para escolher com o tema de cerveja e Heineken, é claro. Depois de escolher o painel que mais agradou, é só configurar a a máquina para bater foto em 10 segundos,  largar a camera num ‘banquinho’ que tem ali perto e correr pra trás do painel. Pode encarar a fila, pq todo mundo faz. E é uma boa recordação da visita!

A partir dai, vem uma série de  fotos contando um pouco da história de seu fundador, o empresário Gerard Adriaan Heineken. Ele fundou a empresa quando tinha apenas 22 anos e foi assim que a tradição cervejeira se iniciou na família Heineken.

Estão em exibição alguns exemplares das garrafas mais antigas…

Ainda podemos ver os vários rótulos que a Heineken teve ao longo desses anos todos..

Os prêmios e condecorações que a empresa já recebeu..

Como toda boa cervejaria-museu que se preze, tem a parte dedicada aos ingredientes utilizados na fabricação de uma cerveja, e neste caso, os principais são: água, cevada, lúpulo e fermento (levadura). Tudo isso está lá amostra e é devidamente explicado a função de cada um no processo.

Ai vem um pouco do maquinário utilizado na fabricação, que incluem enormes tanques onde acontece o processo de fermentação, além de alguns dos equipamentos mais antigos da cervejaria..

Até que chegamos numa das partes mais legais do museu! Onde nos literalmente passamos a ser cerveja por 5 minutos, desde sua criaçao até o engarrafamento. Isso pq, o negócio é totalmente baseado em sensações, passamos por todos os processo e fenomenos que acontecem com a cerveja, como enquanto acontece o processo de fermentação ou mesmo depois que a cerveja é engarrafada.

Olha, achei genial essa idéia! Ah, lógico, tudo isso é explicado e ilustrado através de um video, e enquanto vamos assistindo o filminho, a plataforma onde ficamos se mexe e balança, é de impressionar! Os movimentos da cerveja, o balanço das garrafas na esteira depois de pronto, podemos sentir!

Depois dessa experiência, já saimos direto num mini-bar montado onde recebemos explicações sobre os ingredientes e algumas curiosidades sobre o processo de produção, sobre a cor e aspecto da cerveja. O que achei mais curioso foi a explicação sobre a espuma que se forma depois de servirmos a cerveja. Enquanto isso, o pessoal vai servindo um copinho pra todo mundo que tá ali parado no balcão!

Ainda tem mais alguns itens em exibição..

Outra parte que achei legal, é que podemos gravar um filminho, tendo como fundo alguns temas tipicos da Holanda, ou ainda podemos bater uma foto, que será enviada por email pra alguém que escolhermos. As opções de fundos devem ser pré-selecionados.. eu escolhi o tema com o Pão de Açúcar (é claro!), que representava o Brasil!

E a seguir passamos por uma ala com vários painéis gigaaantes que mostram algumas propagandas da marca. Algumas são bem criativas!

E pra terminar, o bar. É ali onde recebemos os 3 copos de Heineken que estão incluidos no valor do ingresso e que fazem parte do processo de degustação da cerveja (e a gente pode até levar o copo pra casa de recordação)!

Ainda tive tempo de passar algum tempo na lojinha. São muitas opções, com bastante coisas legais. Tem tudo o que se pode imaginar levando o nome da marca!

Ahh, na hora de comprar o ticket, não precisamos especificar o dia em que vamos visitar, porém a visita deve ser feita a qualquer momento, desde que seja antes do dia 31 de dezembro.

A visita é um pouco longa, pelo menos eu fiquei por lá quase 3 horas (no total) entre visitar a cervejaria e ver e comprar alguns souvenirs!

O Heineken Experience está localizado na Stadhouderskade, 78. Fica bem próximo a Museumplein, uns 5 minutos caminhando!

%d blogueiros gostam disto: