Arquivo | Paris RSS for this section

Tour no Parc des Princes, o estádio do Paris St Germain

por Raul Bartolamei

Sempre que possível, quando viajo à Europa, reservo um dia para assitir um jogo ou conhecer algum estádio de futebol e nessa viagem a Paris não foi diferente.

Um dos time mais famoso da França é o Paris Saint Germain (PSG) e já que não foi possivel assitir um jogo, separei uma tarde para fazer o tour no estádio do clube, o Parc des Princes.

Para visitar o estádio do PSG, primeiramente é importante levar em consideração os dias em que são permitidos os tour e os horários disponiveis. Atualmente os tour estão acontecendo somente as quartas-feiras as 15:00. E ainda tem um outro detalhe importante, se o dia do jogo cair em uma quarta ou um dia antes ou um dia depois não haverá tour.

Ao chegar na frente do estádio pedimos informação de onde comprar o ingresso para o tour a um dos seguranças que estavam por ali. Nos compramos os tickets nos mesmos guiches em que são vendidos os ingressos para os jogos.

Fomos orientados a entrar e aguardar na recepção até o guia nos chamar. Logo o guia nos chamou e o tour começou.

Primeiro visitamos a Sala dos Trofeus, onde, além dos troféus, estão também as camisetas das conquistas mais importantes do clube. O guia nos mostrou os principais troféus e contou um pouco da importância da conquista de cada um dos campeontos ganhos pelo PSG.

Ainda passamos por uma maquete do estádio e nessa hora o guia nos contou um pequeno histórico sobre o Parc des Princes.

Depois disso, nos dirigimos as arquibancadas, com uma vista total do gramado. Enquanto o pessoal batia fotos o guia foi contando um pouco de como funciona o estádio em geral e especialmente em dias de jogo.

Também tivemos acesso as vestiários, area de pré-jogo e a área de entrevistas. Comparando com outros estádios que tive oportunidade de conhecer tanto aqui no Brasil como na Inglaterra, achei a estrutura bem fraquinha. A estrutura dos vestiários somente, pq as arquibancadas e os gramados seguem o padrão europeu com certeza.

Fizemos o mesmo trajeto que os jogadores fazem ao deixar o vestiário em direção ao campo. Por motivos de cuidados e manutenção, fomos proibidos de caminhar pelo gramado, mas ao menos nos deixaram encostar na grama com a mão.

O gramado do estádio estava passando por manutenção para que no mês seguinte (agosto), quando começa o Campeonato Frances – Temporada 2012/2013 o gramado estive em perfeitas condições para os jogos.

Após a visita ao campo, o guia se despediu de nos e nos mostrou o caminho para a loja que fica ao lado da entrada do estádio.

Eu achei a loja bem modesta, vários modelos de camisetas do clube tamanho M ou P não estavam disponiveis, o que limitou a minha compra a uma camisa de treino vermelha. Bonita, ok, mas não era exatamente a que eu queria. Além das camisetas, existem muitas opções de souvenirs como chaveiros, bolas, cachecóis, porta retratos, lápis, canetas, canecas, roupas em geral, entre outros.

Minha opinião geral sobre o tour: vale a pena, mas deixa um pouco a desejar. O guia não foi dos maaaaais simpáticos, ele foi bem na dele, falava o que tinha que falar e perguntava se alguém tinha alguma pergunta e bola pra frente. Ele foi extremamente profissional, mas com certeza essa foi a visita foi mais “fria” sobre futebol que eu ja fiz em um estádio. Geralmente na Inglaterr,a o pessoal é muito animado, cria uma emoção e empolgação em nós visitantes, que deixa a visita muito mais interessante. E Neste caso o guia foi bem apático.

O tour é relativamente rápido, tem duração de 45 minutos e o tempo todo somos acompanhados por um guia que fala em Francês primeiramente e logo na sequência traduz tudo para o Inglês e o Espanhol.

Para chegar no estádio é bem simples. Apesar do estádio ficar um pouco afastado do centro turistico de Paris, a maneira mais rápida e econômica de chegar lá é usando o metro. Existem duas linhas que param lá pertinho: M10 (cor marrom) ou M9 (cor dourada). Nos optamos por ir com a M10 e descemos na estação Boulogne Jean Jaures. Ao chegar lá, ainda temos que caminhar mais um pouco, mas em questão de 10 minutos estamos na frente do estádio.

Anúncios

Roteiro de 8 dias em Paris

por Raul Bartolamei

Em Dezembro de 2011 foi anunciada a turne do Black Sabbath, um show que fazia horas que eu tava de olho esperando ansioso que viesse a acontecer. Entre as opções estava Paris. Como lá em casa eu era o unico que ainda não havia estado na cidade, acabei optando por aliar o util ao agradável: um show em Paris + minhas férias. E junto comigo ainda estavam a minha namorada e mais um casal de amigos.

Com as passagens compradas e o hotel reservado com uma certa antecedência, no inicio desse ano, fomos pegos de surpresa com a noticia de que o show estava cancelado por motivo de doença de um dos integrantes da banda. Mas a nossa viagem permaneceu e ficou assim…

A passagem foi comprada pela TAP entre São Paulo – Lisboa – Paris e a volta entre Paris – Lisboa – São Paulo em classe economia. O voo também foi com a TAP entre Lisboa – Paris e tinha como destino final o aeroporto de Orly.

O aeroporto de Orly é o segundo aeroporto mais movimentado do país, perdendo apenas para o aeroporto Charles de Gaulle. Fica muito mais próximo ao centro da cidade e são apenas 14 km de distância.

Para ir do aeroporto de Orly até o centro de Paris existem muitas opções, como: metro, ônibus, RER, Shuttle e Táxi.. Nós acabamos optando por pegar o trem OrlyVal. Os Tickets podem ser comprados no Centro de Informação do Aeroporto. Uma pequena observação, o valor deste ticket é um pouco mais caro do que se fosse usar o ticket normal de metro. Dentro do aeroporto existe 2 terminais, cada um com a sua estação. O trem parte do terminal Orly Sud, fazendo uma parada no terminal Orly Ouest e de lá segue para o centro de Paris. A frequencia de saida do trem acontece a cada 5 minutos e o trajeto todo não leva mais do que 10 minutos. A parada final é na estação de Antony, onde descemos e tivemos que passar por uma catraca. Com o mesmo ticket, nos dirigimos para a plataforma do RER-B para ir até a estação mais próxima do nosso hotel.

O hotel escolhido foi o mesmo que a minha irmã tinha se hospedado por duas vezes em Paris, o Hotel Agora St Germain. O hotel é super bem localizado, a duas quadras da Catedral de Notre Dame.

O nosso roteiro basicamente ficou assim:

– Primeiro dia: visitamos o Pantheon, a Sorbone, a Saint Sulpice, o Jardim de Luxemburgo e pra encerrar o dia, uma visita rápida a luxuosa loja de departamento Le Bon Marché;

– Segundo dia: subimos na Torre Eiffel, fizemos o passeio nos arredores da Torre, Les Invalides, Museu Rodin e no final da tarde fizemos um passeio de Bateau-Mouche;

Vista do bairro de La Défense do topo do Arco do Triunfo

– Terceiro dia: visitamos o Museu L’Orangerie, caminhamos pelas margens do rio Sena, passamos pela ponte Alexandre III, seguimos caminhando pela Champs Élysées até chegar no Arco do Triunfo. Pra terminar o dia, fomos a um show na Lido.

– Quarto dia: o dia começou com uma visita ao Museu de Orsay, seguindo para a Igreja de Madeleine, Museu de cera Grévin, Place les Vosges, Galeria Lafayette. E a noite assistimos uma ópera na Ópera Bastille;

Igreja de La Madeleine

– Quinto dia: caminhada delas margens do rio Sena até chegar na Pont Neuf, visitamos a Catedral de Notre Dame e a Sainte Chapelle. Caminhamos pela Île de St Louis. A tarde visitamos o estádio do Paris St Germain;

– Sexto dia: dia em Versailles e a noite fomos assitir um ballet na Ópera Garnier;

– Sétimo dia: reservamos para conhecer o Museu do Louvre, Jardin des Tuileries, com uma rapida caminhada até a Placê de la Concorde e Placê Vendôme;

– Oitavo dia: no ultimo dia, visitamos o cemitério Père Lachaise, e depois fomos ao bairro de Montmartre para conhecer a Basílica de Sacre Coeur. E aproveitando que já estavamos por ali, a noite vimos um show no Moulin Rouge.

O nosso roteiro foi montado levando em consideração a proximidade das atrações. Sendo assim, nos optamos por fazer o maior deslocamento usando metro, ou seja, o trajeto entre o hotel e a região visitada em cada dia e chegando lá, o restante do passeio do dia era feito todo a pé.

Para usar o metro em Paris, existem vários tickets e passes. No nosso caso, achamos que seria mais vantagem comprar o “Carnet 10 Tickets”. Esse carnê funciona da seguinte forma: ao comprar um bilhete único, o valor dele sai por 1,70 euros, porém, ao comprar 10 Tickets de uma só vez o valor fica em 12,70 euros. A economia é de 27%, o que nesse caso ficou em 4,30 euros. Não é uma graaande economia, mas já ajuda!

Essa viagem aconteceu em junho de 2012, portanto o dia era longo, só escurecia por volta das 22:00 horas. Mais pra frente vem mais alguns posts sobre os shows e algumas atrações em específico.

Finalmente.. Montmartre (e um pouco de Amélie Poulain)!!!

Depois do tour pelo Eixo Histórico, ainda tive tempo de visitar o bairro de Montmartre… Finalmente!!! A primeira vez que fui a Paris, ainda em 2005, as informações online eram pouquíssimas e praticamente nenhum site oficial dos principais monumentos existiam, então, não arriscamos e ficamos somente no centrão de Paris!!

Basílica do Sacré-Coeur

Mas hoje em dia, o número de sites e blogs com todos os tipos de informações são muuuitos e se dúvidar, as vezes, é possível conhecer bem um lugar sem nem mesmo ter saido de casa! Dessa vez eu deixei o “medo” de lado e fui… Na verdade, já tinha ido na noite anterior, quando fui ver um show no Moulin Rouge. Mas não tive tempo de explorar bem a região.

Saindo do metro, entrando por uma ruazinha, já dá pra ver a Basílica de longe!

Voltando do bairro de La Défense, parei na estação de metro Charles de Gaulle Étoile (estação que serve o Arco do Triunfo) e lá peguei a linha 2, cor azul escuro e fui até a estação Anvers, que já sai de frente pra Basílica do Sacré-Coeur.

Basílica do Sacré-Coeur

Para chegar lá no topo, as opções são duas: pegar o bondinho ou subir a pé pelas escadarias (que vão contornando os jardins da Basílica).

Nem preciso dizer que tanto o metro, como o bondinho, as ruas de Montmartre e as escadarias da Basílica estavam lo-ta-das!

Dá pra escolher, subir de escada ou de bondinho

O bairro de Montmartre fica relativamente afastado do centro da cidade de Paris e faz parte do 18º arrondissement e é considerado o bairro boêmio da cidade!! Por volta de 1860, vários artistas e intelectuais circulavam pela região, como Monet, Van Gogh, Renoir, Cézanne.. e essa “fama” continua até hoje, pois o bairro é lotado de restaurantes, bares e casas de shows.

Basílica do Sacré-Coeur vista dos "fundos"

Mas o que mais atrai turistas (e eu também, lógico!!), sem dúvida, é a Basílica do Sacré- Coeur. Imponente, ela fica no alto de uma colina e seu formato com as 4 cúpulas brancas chamam a atenção de várias partes da cidade!! E ver ela de pertinho, vale muito a pena e por vários motivos:

– ela foi toda contruída em mármore travertino, e é por isso que a Basílica é toda branquinha!!

– tem um mosaíco enoooorme no ápice, chamado Cristo em Majestade, e é considerado um dos maiores do mundo;

Paris, lá do alto!

– do topo de uma das cúpulas se tem uma das melhores vistas da cidade de Paris;

– as ruelas ao redor da Basílica são super bonitinhas!

O bairro também ficou bastante em evidencia depois que foi gravado o filme Amélie Poulain lá.

Café des 2 Moulins

E como eu tinha tempo sobrando até o horário de voltar pra casa, resolvi parar no Cafe des 2 Moulin, o bar onde Amélie trabalhava no Filme O Fabuloso Destino de Amélie Poulain.

O Café onde Amélie trabalhava

Além de ver o bar, o anão do pai de Amélie, pude sentir um pouco o clima do local, que assim como esperado, tava lotado de turistas!!

Eixo Histórico: do Louvre a La Défense (com uma paradinha na Île de la Cité e na Île St Louis)!!

No domingo, resolvi acordar cedo e aproveitar o maravilhoso dia de sol e calor (tá, o calor não tava tão agradável assim) e fiz o trajeto chamado de Eixo Histórico ou Axe Historique!! O Eixo Histórico passa por quase todos os mais importantes monumentos e ruas da cidade. O Eixo “começa” no Museu do Louvre, passa pela Champs Élysées, pelo Arco do Triunfo e “termina” no Grande Arco, no bairro de La Défense.

Mapinha do Eixo Histórico

O hotel que eu me hospedei foi o mesmo da primeira vez em que estive em Paris e ele fica bem pertinho da Notre-Dame, na região de Saint Germain des Prés.. então, facilitou muito o trajeto!!

...

Mas antes de tudo, fui conhecer a Île Saint Louis. Essa ilha, junto com a Île de la Cité são as duas ilhas naturais que ficam bem no meio do rio Sena.

...

A Île St Louis é super pequena, bem fácil de percorrer e além das lojinhas com as mais variadas opções de comidas, é possível ver a Igreja St Louis en L’Île e provar um sorvete na tradicional Sorveteria Berthillon.

A tradicional Sorveteria Berthillon

A Île St Louis é ligada por uma ponte com a Île de la Cité, e a principal atração dessa ilha é a Catedral de Notre-Dame. Como eu já tinha visitado a Catedral da outra vez, apenas observei a movimentação exterior.

Catedral de Notre-Dame vista da Île St Louis

Catedral de Notre-Dame

E posso dizer, Paris está completamente lo-ta-da!!! Não dava pra caminhar direito na região, tinha muuuuitos turistas e muitos policiais, alguns inclusive com umas metralhadoras (é isso mesmo?), assustadoras!!!

Pont Neuf

Número de arcos em cada lado são desiguais

Nessa ilha tbm fica a Pont Neuf, a primeira ponte construída na cidade de Paris!! É impossível não perceber a sua existência, pois além dela ter vários arcos (em números desiguais pra cada margem do rio, sendo 7 de um lado e 5 de outro) em toda sua extensão estão vários “rostos” esculpidos.

Detalhe dos rostos esculpidos

Em toda a sua extensão, muitos rostos esculpidos

Dessa vez eu resolvi ver esses rostos esculpidos beeem de perto e caminhei nas margens do rio Sena.

Chegando no Louvre

A próxima parada foi o Museu do Louvre, agora siiim, finalmente cheguei no “início” do trajeto do Eixo Histórico. Como era o primeiro domingo do mês de outubro, neeeem passou pela minha cabeça entrar no Museu novamente.

Museu do Louvre

Todo o primeiro domingo de cada mês a entrada no museu é gratuita, então dá pra imaginar o tamanho da fila, enooooorme!!

Louvre

Nessa região, parado de frente para o Arc de Triomphe du Carrousel se tem uma das melhores vistas da cidade, na minha opinião. Além de ver a Torre Eiffel, os Jardins des Tuileries!

Arco do Triunfo do Carrousel

Foi construído para comemorar as vitórias do exército de Napoleão Bonaparte

Na outra vez que estive em Paris era auge do inverno e com certeza dessa vez o jardim estava bem mais bonito e deu pra aproveitar mais e conhecer cada cantinho. São várias estátuas, fontes, e muuuuitas flores. E tinha muitas pessoas aproveitando o sol pra pegar um bronze tbm!!

Jardins des Tuileries, lindíssimo no verão!

Dá até pra ver a Torre

Antes de chegar na Champs Élysées, tem uma outra paradinha obrigatória, o Obelisco de Luxor, que fica bem no meio da Praça de la Concorde.

Obelisco de Luxor

E bem pertinho fica uma das pontes mais bonitas da cidade, a Ponte Alexandre III, cheia de ninfas, querubins, cavalos e sem contar nas luminárias, que são perfeitas!! Essa ponte também fica de frente para o Grand e Petit Palais.

Ponte Alexandre III

...

...

Da Place de la Concorde até o Arco do Triunfo, a caminhada segue pela Champs Élysées, que dispensa qualquer apresentação. Em toda a sua extensão estão várias lojas, restaurantes, bares e casas de shows.

Arco do Triunfo

Na outra extremidade da avenida fica o Arco do Triunfo e ali, seguindo pro lado direito, peguei o metro até o bairro de La Défense.

Para ter acesso ao Arco do Triunfo, a passagem é subterrânea

Para chegar lá é bem simples, o trajeto é direto e demora uns 15 minutos mais ou menos. A linha do metro é a número 1, cor amarela (também da pra ir de RER – linha A, cor vermelha!! Descendo do metro, já sai de frente pro Grande Arco de La Défense!!! E que vistaaa!!

Grande Arco de La Défense

No alto do Grande Arco

La Défense é o maior centro financeiro de Paris e é justamente lá, que me senti não estando em Paris por algumas horas. O lugar é tão moderno e com prédios de vidro super altos que nada lembram o tradicional e super clássicos edifícios do centro da cidade. Nesse bairro também tem 2 shoppings, o Les Quatre Temps e o CNIT, que oferecem além das lojas, cinemas e restaurantes!!

O Arco do Triunfo lá loooonge

Centro financeiro de Paris, super moderno!

Mas a maior atração do lugar, é sem duvida o Arco, e realmente ele é enorme (112 metros de altura)!! E do alto das suas escadarias de mármore branco, dá pra ter uma das melhores vistas de toda a cidade e do Eixo Histórico!! Dá pra ver bem direitinho o Arco do Trinfo!! Mas foi uma pena o Arco estar fechado para visitas, pois lá do alto a vista deveria ser muito melhor!!!

Algumas coisas são um pouco diferentes (ou modernas)

O Grande Arco foi construído e inaugurado em 1989, pra comemorar o bicentenário da Revolução Francesa!!

La Défense

Depois de visitar La Défense, dá pra concordar que o moderno e o clássico, podem sim, fazer parte de uma mesma cidade em perfeita harmonia!!

Moulin Rouge, em Paris

Sábado à noite quis ver um espetáculo no mais famoso estilo Francês.. E em Paris exitem muitos lugares, porém as casas mais tradicionais que apresentam show de Cabaré, são: Moulin Rouge, Lido e Crazy Horse.

Sendo assim, fui ver de perto como era um show de Cabaré com dancinhas no melhor e mais conhecido estilo Francês, o Can-can e optei por ir no… Moulin Rouge!!!

Moulin Rouge

E pq eu escolhi o Moulin Rouge? Por ser o mais tradicional, famoso e conhecido!! Além do que, na primeira vez que estive em Paris, não tinha tido a oportunidade de conhecer Montmartre!!! Ahhhh, e também pq queria ver o Moinho Vermelho na fachada e tudo o que engloba o estilo Belle-Époque!!

No Moulin Rouge, as apresentações acontecem duas vezes por noite, a primeira é as 21 horas e a outra, as 23:00.

O moinho mais famoso de Paris!

As opções de ingresso são três para o show apresentado as 21:00:

– show + jantar;

– show + garrafa de Champagne;

– somente o show.

A única opção que “sobrou” quando fui comprar era: Show + Garrafa de Champagne!!

Show em cartaz é o Féerie

Cheguei em cima da hora (culpa do metro lo-ta-do!!), entrei correndo e pedi se ainda poderia entrar..  o segurança conferiu meu ingresso e disse que era proibido entrar com máquina fotografica na sala de espetaculo, sendo assim, tive que deixar minha camera na recepção (achei meio exagero, mas tudo bem!!)

Um dos recepcionistas me levou até a mesa, o lugar era bom, bem no meio do palco, porém no segundo “nivel” de mesinhas.

Vários cartazes enfeitando os corredores!

O show começou quando eu entrei no salão.. então não perdi nada, ufa.. deu tempo!!

O show apresentado atualmente é o Féerie que foi criado por Doris Haug e Ruggero Angeletti e está em cartaz desde dezembro de 1999.

Acesso ao show!

As apresentações são todas temáticas, como por exemplo.. as dançarinas e o cenário caracterizados com barcos e piratas, Cleopatra e as Piramides do Egito , Indonésia e suas dançarinas, China.. palhaços e um Circo. Além de tudo isso, entre uma e outra dança temática teve apresentação de malabarismo e equilibrismo (essa parte do equilibrismo foi um dos pontos altos do show, na minha opinião) e pra finalizar… uma bonita apresentação de cancan nas cores vermelho, branco e azul!!!

Como esperado.. Lotado!!

O ingresso pode ser comprado online no site do Moulin Rouge ou no site da Fnac, eu comprei no site da Fnac e recebi um voucher por email com a confirmação da compra. Porém o ingresso tive que retirar quando cheguei lá em Paris. No site da Fnac tem as opções e localizações das Lojas espalhadas pela cidade, eu escolhi a Fnac Champs-Élysées.. além de ser mais prático, fácil e ficar aberto até as 23:45!!!

O Moulin Rouge fica na 82, Boulevard de Clichy. Metro Blanche (linha 2, cor azul escuro).. já sai praticamente na porta, é só atravessar a rua!! =)

%d blogueiros gostam disto: