Arquivo | Chile RSS for this section

Ano Novo, Bali Hai Chile, Due Torri e Parque Arauco

Voltando do litoral do Chile, fomos direto pro Hotel nos arrumar. Destino? O Bali Hai!! Como em Santiago nessa época escurece lá pelas 21:00.. 21:30, foi mais ou menos a essa hora que fomos pra lá! Incrível, fomos um dos primeiros a chegar, o lugar ainda estava vazio!!!

A primeira impressão, logo na entrada estão alguns Moais enfeitando a fachada! Logo que entramos, recebemos um colar estilo “havaiano” para entrar no clima, afinal, o tal Bali Hai é uma casa de show com jantar e são apresentados danças e músicas típicas das Ilhas do Pacífico e folclore chileno! Até ai, tudo certo!

Bali Hai, no Chile

O que nos deixou “meio assim” é que as mesas estavam umas grudada nas outras, e sério, o espaço era minúsculo e a mesa tava cheia de badulaque! Os lugares já estavam escolhidos e por azar, ficamos bem no meio da mesa, ou seja, se quando o lugar estava vazio e só estavamos nós na mesa já estava apertado, imagine qdo estivesse tudo lotado.. seria o caos! Enfim, continuamos por ali! Os garçons muito insistentes, queriam fazer as coisas do jeito deles, queria servir as bebidas, as comidas e a gnt nem queria nada por enqto! Até que chegaram mais uma meia duzia de pessoas na nossa mesa gigante e em questão de 10 minutos o garçon deu um banho no pessoal derrubando os pisco sour!!! Pronto, já estavamos irritados com o apertume do lugar e decidimos abandonar o barco, simplesmente levantamos e saimos!

A mesa entulhada de badulaque, sem condições!!!!

Bali Hai

Não sei se a comida é boa, se o show é legal… só sei que estava muito mal organizado e os garçons eram péssimos, isso sem contar o lugar em q ficamos, era a primeira mesa praticamente no palco!

As pessoas conhecidas que foram e até o pessoal da agência em que compramos as passagens só falaram bem do lugar. Quando voltamos, resolvemos fazer uma reclamação e as pessoas não acreditavam que o lugar era da forma como descrevemos, enfim, inclusive vendo as fotos que o próprio site do lugar disponibilizava, estava td muito diferente… isso é fato!)

Bali Hai

E de última hora, vamos aonde? Será que vamos achar algum restaurante com mesa disponível em plena noite do 31??? Sim, o Due Torri! Nem comparação, mesa redonda, todo mundo tranquilo, buffet “a vontade” e ai sim, muita risada, pisco sour e diversão!

O esquema do restaurante era: buffet a vontade com várias comidinhas para entrada, o cardápio principal já tinha os pratos definidos, era só escolher! Vários tipos de Pisco e sobremesa! Com certeza não foi tãããão animado como imaginávamos no Bali Hai, mas foi bem legal a virada do ano!!

(O engraçado que em Santiago não tem aquelas famosas queimas de fogos de artifico durante a véspera e o dia de Ano Novo, o único lugar em que acontece é em frente a Torre Entel!)

No primeiro dia do ano de 2008, como praticamente tudo estaria fechado, à tarde fomos dar uma volta pelos arredores do hotel e depois seguimos para o Parque Arauco, uma espécie de shopping com corredores a céu aberto, restaurantes e lojas espalhados pelo pátio e o grande shopping.. diferente do que existem por aqui (pelo menos eu nunca tinha visto algo parecido)!!

O shopping Alto Las Condes também é bom! E outros restaurantes que fomos e são bons: Aquí está Coco e Isla Negra (as machas gratinadas foram aprovadas, assim como as merluzas, robalos e reinetas)!!!

Playa de Quintay e Algarrobo

Véspera de Ano Novo, o que fazer???? Geralmente a maioria das atrações turísticas fecham mais cedo ou simplesmente nem abre. Assim, para não arriscar e perder tempo, resolvemos seguir para o litoral chileno novamente, mas dessa vez para conhecer lugares não tãããão famosos assim!!!

Playa de Quintay

Playa de Quintay

O que foi sugerido…

Playa de Quintay

Playa de Quintay, nossa primeira parada. É uma praia minúscula com apenas um restaurante muito frequentado pelos locais e várias pessoas literalmente farofando. O acesso até a praia é muito íngreme e conforme o pessoal vai chegando o amontoado de carro pelo caminho vai deixando o lugar lotado!! A praia fica no meio do nada.. a estrada até lá é toda de areia!

Playa de Quintay

A primeira impressão, o restaurante é pequeno e bem simples, uma casinha de madeira vermelha com um varandão cheio de mesas. A comida? Boa, muito boa! E aproveitamos para experimentar um vinho Pinot Noir (o meu preferido, entre todos os que provamos!!!!)

Pinot Noir da Viña Casa del Bosque

Depois do almoço, uma pequena caminhada para explorar o lugar e subimos o morro para ter uma vista completa do lugar e é claro, garantir umas fotos!!!!

Ah!!! nem preciso dizer que a água do Pacífico é con-ge-lan-te!!!!!!!!!!!! (não sei como mas alguns “loucos” estavam na água)

Playa de Quintay

Seguimos pelo litoral chileno, passando por vários lugares até chegar em Algarrobo.  É uma outra praia que acabou ficando muito famosa por causa da piscina do Hotel San Afonso del Mar, que é gigaaante  e está a beira do mar.

Uma volta por ali e… voltamos para Santiago!

Vale Casablanca (Viñas Casa del Bosque, Indómita e William Cole)

Essas viñas não são tão famosas entre os brasileiros… pra falar bem a verdade, nunca tinha ouvido falar nelas até chegar no Chile. Experimentamos pelo menos um tipo de vinho de cada vinícola e resolvemos conhecer (exceto a Indómita)!! Todas elas ficam no Vale Casablanca, bem próximo a Santiago.

Vale Casablanca

A primeira parada foi na Viña Casa del Bosque como todas as outras, o tour começa nas plantações, depois passa pelo armazenamento e termina na lojinha onde estão a venda produtos como camisetas, chaveiros, canetas e quase todos os vinhos produzidos ali.

Viña Casa del Bosque

Viña Casa del Bosque

Viña Casa del Bosque

A próxima foi a Viña Indómita, resolvemos parar mais por causa da paisagem do que por qqer outro motivo (isso não quer dizer que os vinhos sejam ruins, até pq só experimentamos quando resolvemos fazer o tour). Como já era hora do almoço e lá tinha um restaurante, resolvemos arriscar.. digo arriscar, pq de fato o restaurante tem uma aparência bem moderna e sofisticada, porém a comida pro nosso gosto era um pouco “estranha”, muita coisa doce misturada com salgada, o que não ficou legal!!!!

Viña Indómita

Viña Indómita

A terceira e última visita do dia foi a Viña William Cole, gostamos muuuuito dos vinhos brancos (experimentamos em Viña del Mar e resolvemos conhecer).

Viña William Cole

Quando chegamos, os tour do dia já tinham terminado, mas tbm… depois de visitar tantas viñas, uma viña para outra não muda muita coisa, as plantações são iguais (muda um pouco a explicação de acordo com o tipo de uva), o armazenamento é praticamente o mesmo (isso na minha visão de leiga sobre o assunto), enfim… o que realmente interessava era a lojinha, e conseguimos pegar ela aberta e compramos algumas garrafas pra trazer pro Brasil!!!!!

Viña William Cole

A gente acha que o vinho chileno se resume apenas a Concha y Toro, acabamos nos surpreendendo com a grande quantidade de vinícolas e o melhor de tudo, de grande qualidade!!!!

Vale Casablanca (Viña Matetic) e Isla Negra

Queríamos conhecer uma viña que não fosse tão famosa aqui no Brasil e de boa qualidade então, Sr José sugeriu a Viña Matetic. Chegando lá, fomos direto conhecer o processo de produção, armazenamento, fizemos degustação de alguns vinhos e comprinhas também (de vinhos, é claro).

Vale Casablanca

Viña Matetic

na Viña Matetic

na Viña Matetic

Para chegar no restaurante e na pousada da Viña Matetic, passamos por uma estrada de areia. Não me recordo exatamente quantos quartos tem a pousada, mas eram poucos, em torno de 3 a 4 e o valor, uma pequena fortuna.

Restaurante da Viña Matetic

Restaurante da Viña Matetic

Viña Matetic

O restaurante é MARAVILHOSO, tanto pela comida, pelo atendimento e pela paisagem. É uma casinha, no meio de um lago, com patos e outros bichos soltos e com uma pontezinha para atravessar para ter acesso ao restaurante. Coisa de cinema!!!!!

Os vinhos mais conhecidos são os Corralillo (malbec e o chardonnay), experimentamos durante o almoço e compramos os dois, muito bons!

Corralillo Merlot Malbec – Viña Matetic

Corralillo Chardonnay -Viña Matetic

Na parte da tarde seguimos para Isla Negra (fica a 92 km ao sul de Valparaíso), onde fica uma das três casas de Pablo Neruda, não conheci as outras duas, mas pelo que vi no site, essa é a mais legal de todas!!! Está foi a primeira casa própria de Neruda e fica na Praia Las Gaivotas.

na Casa do Pablo Neruda em Isla Negra

Depois de comprar os ingressos, é feito o agendamento do tour, tivemos que esperar outros 3 tour na nossa frente, mas o lugar em si e a vista não deixaram a espera nenhum pouco entediante. O tour pela casa e exterior dura aproximadamente 40 minutos.

na Casa do Pablo Neruda em Isla Negra

Neruda adquiriu esse terreno por volta de 1938. Até então, ele era diplomata e vivia viajando pelo mundo sem endereço fixo.  Dizem que o nome atual do povoado, Isla Negra, teria vindo de inspiração do escritor, pois a idéia de construir sua habitação ali era a de ter seu canto de isolamento para concentrar-se em seu trabalho. O nome “Negra” teriam origem nas rochas escuras que ficam em frente à praia.

na Casa de Pablo Neruda em Isla Negra

Dentro da casa não é permitido fotos. A parte interna da casa é inspirada em um ambiente de um barco, com passagens baixas e tetos curvos. Neruda tinha várias coleções de objetos pessoais (garrafinhas, copinhos coloridos, entre outros). No exterior a vista da praia e dos rochedos é show! É ali também onde estão os corpos de Neruda e sua esposa Matilda. A guia que nos levou no passeio, foi o “espetáculo” a parte, com o seu jeito de falar!!

Cerro Santa Lucía, Museo de Bellas Artes e Palácio de la Moneda

Depois de passar pelo meu Palácio, sim, eu mantenho um na capital chilena.. hehehe o Palácio Bruna.. que atualmente é a sede da Câmara do Comércio de Santiago.

Palácio Bruna

Muito próximo está o Cerro Santa Lucía, foi ai que em fevereiro de 1541 o espanhol Pedro de Valdivia fundou a cidade de Santiago. No topo dos seus 70 metros se tem uma boa visão de Santiago. Nos pés do morro tem o Centro Exposición y Arte Indigena, que é legal pra conhecer a cultura dos índios e comprar uns CDs de musicas típicas chilenas.

Cerro Santa Lucía

Depois seguimos para o Museo de Bellas Artes, o edifício atual foi inaugurado em 1910 e em sua inauguração tbm foi comemorado o primeiro centenário da Independência do Chile. O museu já recebeu exposições importantes como de Leonardo da Vinci mas, as principais exposições atualmente são de obras de autores chilenos e de estrangeiros que já viveram no Chile, como no Caso de Rugendas (que se não me engano era alemão ou austríaco que viveu em Santiago por um tempo).

Museu de Belas Artes

Museu de Belas Artes

Museu de Belas Artes

No almoço, fomos para o Restaurante Ostras Azocar, que tem uma espécie de aquário com peixes, ostras e outros bichos vivos e vc escolhe o que quer comer na hora. Meu pai, meu irmão e demais experimentaram ostras in natura, eu não tive coragem.. mas pelas caras, o gosto não agradou. Mas o prato principal foi as famosas Centollas, que são uns carangueijos gigantes que habitam as águas geladíssimas do Pacífico e o gosto é bem semelhante ao do camarão. O valor é um pouco salgado, mas antes da viagem nos falaram tanto do tal carangueijão que nos obrigamos a experimentar e digo mais.. Vale a pena!

Centollas

Centolla

Vinho William Cole

Dali seguimos para o Palácio de la Moneda, sede da Presidência do Chile e também é sede de outros órgão governamentais chilenos. Ao Sul, passa a Av. Libertador Bernando O’Higgins (só pra se localizar). O Palácio fica no meio de duas praças, a Praça da Cidadania (é a praça que fica nos “fundos” do Palácio de la Moneda, nela está a estátua de Arturo Alessandri que foi presidente do Chile por duas vezes e uma enorme Fonte de água) e a Praça da Constituição (fica em frente a entrada principal do Palácio e é onde ocorre a troca da guarda Chilena todos os dias).

Palácio de la Moneda

Estátua de Arturo Alessandri, no Palácio de la Moneda

O Palácio de la Moneda tem esse nome pq ele tinha sido construído para abrigar a Casa da Moeda quando o Chile era colônia da Espanha. Durante a Independencia do Chile, foi neste palácio que se cunharam as primeiras moedas do país já independente. No pátio dentro do Palácio tem uma fonte e vários pés de laranjas, chamado de Pátio de los Naranjos. A Plaza de La Ciudadania foi construída onde antes era uma pequena praça e os estacionamentos do Palácio.

Centro Cultural Palacio de la Moneda

Centro Cultural Palacio de la Moneda

Na parte subterrânea foi construída o Centro Cultural de la Moneda fazendo parte do Projeto do Bicentenário do Chile. Vale a pena conhecer e caminhar pelas enormes rampas internas do Centro Cultural!!

%d blogueiros gostam disto: