Archive | outubro 2012

O que fazer em 48 horas em Edimburgo?

Uns meses atrás eu escrevi um post com sugestões para quem tem apenas 24 horas na cidade. Eu sei que é um roteiro corrido e acho que Edimburgo merece um pouco mais de atenção. Então, continuando a série de sugestões de roteiros, nesse post vou escrever o que eu faria se tivesse apenas dois dias inteiros pra conhecer Edimburgo.

Normalmente a maioria dos hotéis e hostels estão a uma curta caminhada da Princes Street, então sempre acho legal começar qualquer roteiro por aqui.

Dia 01

A Princes Street é uma rua cheia de lojas e cafés de um lado e do outro lado da rua é onde fica o Princes Street Gardens. O parque é dividio pelo The Mound em duas partes, o East Princes Street Gardens e o West Princes Street Gardens. O parque é um ótimo lugar pra uma caminhada, pra bater fotos do Castelo de Edimburgo e pq não, se der sorte, vai ser possível até encontrar um ou vários esquilinhos por lá e se divertir por alguns minutos tentando bater foto deles. E eu já aviso, não é nada fácil.. eles são muito ligeiros!

Quem se interessar, no The Mound existem 3 museus: o Royal Scottish Academy, logo atrás fica a National Gallery of Scotland e subindo a colina, ainda é possível visitar o Museum on the Mound.

Seguindo pela Princes Street, já vai dar pra ver o Calton Hill de longe. Mas pode ficar tranquilo, pq o tempo de caminhada até lá é curto, uns 10 minutos mais ou menos.

Eu já apresentei o Calton Hill nesse post aqui, então, além de ver os monumentos, ainda podemos dar quase que a volta completa ao redor da colina. E olha, rende ótimas fotos de toda a cidade!

Saindo do Calton Hill pelo mesmo lugar que entramos, dá pra seguir caminhando pela Regent Road, um pouco mais a frente fica o St Andrews House, sede de algumas repartições pública do Governo Escoces.

Seguindo por essa rua, no lado direito vamos ver o Old Royal High School que é sede de outras repartições publicas, mas dessa vez relacionadas a prefeitura da cidade. Caminhando pelo lado esquerdo dessa rua, vamos ter ótimas vistas tanto da Old Town como da residência da Rainha Elizabeth, quanto do Holyrood Park e o Arthur’s Seat.

Um pouco antes de dobrar a direita para ter acesso a parte baixa da cidade, vamos ver o Burns Monument, um monumento que só abre no mês de setembro, em dias especificos, pois faz parte do evento Doors Open Days que acontece por todo o Reino Unido. Esse evento permite que as pessoas conheçam lugares que normalmente não estão abertos ao publico em geral durante o ano todo.

A primeira rua que aparecer e que der pra dobrar a direita, é ali mesmo que temos que ir. A primeira vista a area vai parecer meio estranha, mas pode ficar despreocupado, é bem tranquilo caminhar por ali.

Depois de passar por baixo de um viaduto, vamos sair na parte detrás do Palácio de Holyrood. O Palácio é a residência da Rainha Elizabeth II e de toda a familia real britanica quando estão em Edimburgo. Normalmente dá pra visitar, exceto quando qualquer membro da familia real está hospedado ali. No complexo, podemos visitar além do Palácio em si, as ruinas da Holyrood Abbey e a Queen’s Gallery.

Saindo do Palácio, bem em frente fica o edificio que até destoa na paisagem. Esse edificio de traços modernos é o Parlamento Escoces. Quem tiver interesse, ele também está aberto a visitação e a entrada é gratuita.

E pra terminar o dia em grande estilo (e se o tempo permitir), seria bem interessante subir uma das trilhas do Arthur’s Seat, de preferencia a que fica pro lado em que está a cidade, e la do alto, sentar e esperar o por do sol. Tenho certeza que vai render ótimas fotos!

A noite, existem vários pubs e restaurantes legais pra ir em Edimburgo. Se quiser algo mais tranquilo e sem muitos e muitos turistas indico ir até a Rose Street, agora se quiser algo mais movimentado, o ideal é ir até um dos vários pubs da Grassmarket.

Dia 02

Pra quem achou que eu tava ficando louca e ia deixar o Castelo de Edimburgo de fora do roteiro, pode se tranquilizar.

O segundo dia deve começar com uma caminhada até a Royal Mile, onde em uma das suas extremidades se encontra o Castelo de Edimburgo. A visita é paga, existe a opção de alugar um audio-guide pra facilitar o aproveitamento da visita.

Como o castelo não é formado somente por um edificio, eu reservaria pelo menos umas 3 horas pra visitar todo o complexo onde está o castelo. Ali podemos ver as joias da coroa escocesa, a Pedra do Destino que era o local onde os Reis e Rainhas escoceses eram coroados, além conhecer um pouco mais sobre as tradições militares escocesas. Também recomendo muito procurar pelo Castle View, de onde dá pra ver Edimburgo por completo e até o Firth of Forth (aquele “braço”de agua do mar do norte que invade as terras escocesas).

Saindo do castelo, duas otimas opções que ficam praticamente uma em frente da outra são: o Tartan Weaving Mill e o Scotch Whisky Experience. No Tartan Weaving Mill é possivel aprender um pouco sobre os tartans, os kilts e os clãs escoceses. E já que estamos respirando cultura escocesa, pq não visitar o unico museu sobre o principal produto escoces: o whisky.

Descendo pela Royal Mile, vamos passar por muitas e muitas lojinhas de souvenirs e lojas que vendem cashmere.

Dobrando a direita na rua antes de chegar na Catedral de St Giles, se seguirmos por ali vamos passar pela National Library of Scotland.. um pouco mais a frente, no lado direito, fica o Elephant House, um dos lugares mais famosos de Edimburgo. Foi ali que JK. Rowling costumava passar suas tardes tomando chá e escrevendo os livros da série Harry Potter.

Na proxima rua a esquerda, fica o National Museums of Scotland. São dois museus, o primeiro, um predio redondo mais moderninho é onde podemos ver objetos e coisas que pertenceram aos reis e rainhas escoceses.

No predio ao lado, de arquitura mais clássica, é onde fica o outro museu que faz parte desse complexo. Os dois principais destaques desse museu são: a arquitetura do seu hall principal e o clone da ovelha Dolly (fica no primeiro andar).

Voltando pela mesma rua, seguimos o passeio até a Catedral de St Giles, uma das principais igrejas da cidade. A visita é gratuita.

Pra quem gosta de ghost tour, nos arredores dessa igreja ficam varios cartazes e pessoas oferecendo seus ghosts tour, alguns acontecem somente em inglês, mas também existe outras opções de idioma.

E sem esquecer que logo ali do outro lado da rua fica o close mais famoso da cidade, o Mary`s King Close, o top dos ghost tours da cidade.

Pra finalizar o dia, existem vários pubs ao longo da Royal Mile, é só escolher um, pedir um fish and chips e aproveitar o resto da noite!

Posts relacionados:

Lista com todos os posts que eu já escrevi sobre Edimburgo

Airlink: a melhor opção para ir do aeroporto de Edimburgo até o centro da cidade

Todas as opções de transporte entre Londres e Edimburgo

Viajando de ônibus pela Escócia

Como ir de Londres a Edimburgo de Trem

Edimburgo: Onde é melhor se hospedar?

O que fazer em apenas 24 horas em Edimburgo?

Anúncios

Utilidade: O que podemos levar como bagagem de mão?

Já faz um tempinho que esse post está no rascunho aqui do blog, pra ser mais exata, desde janeiro desse ano. Então aproveitando que estou escrevendo essa coluna chamada Utilidade, sobre assuntos práticos e com as minhas dicas sobre algumas situações que parecem complicadas, mas que na verdade são muito simples durante uma viagem, achei que seria legal compartilhar logo essas informações sobre o que podemos ou não levar na bagagem de mão.

Pra minha surpresa, quando eu estava em Lisboa me preparando para embarcar de volta para o Brasil, passei por uma situação um tanto quanto “ridicula” e olha que isso não tem nada a ver com liquidos excedendo a quantidade permitida.

O problema foi o tripé, isso mesmo, o tripé da minha maquina fotografica que não pode ser levado dentro da minha bagagem de mão. Essa proibição acontece somente em voos em Portugal e no Brasil, pq em todas, t-o-d-a-s as outras viagens que fiz pela Europa eu sempre carreguei meu tripé na bagagem de mão e nunca tive problemas.

E sabe qual o motivo de um tripé ser proibido na bagagem de mão? Segundo o Oficial de Segurança do aeroporto de Lisboa, eu poderia machucar alguém dentro do avião pq o tripé é considerado uma arma. Oi?

Como eu já tinha despachado minhas 2 malonas no guiche da classe executiva da TAP e tava só com a minha bagagem de mão,  eu pedi pro Segurança quais eram as minhas opções. E olha só o que ele me respondeu na maior tranquilidade: deixar o tripé aqui e ele será jogado no lixo (sem chances) ou tentar junto a cia aérea despachar o tripé.

Como eu tinha tempo suficiente para tentar um plano B, eu sai da área de segurança, fui até o guiche da classe executiva da TAP e relatei o ocorrido pra atendente. Eu não tinha como despachar minha bagagem de mão pq eu tava levando minhas coisas de valor, como notebook, minhas maquinas fotograficas, pastinha de documentos e mais todas as tralhas eletronicas que a gente carrega em uma viagem. Sendo assim, a unica opcão que me restou foi fazer o seguinte: a atendente da TAP pediu que as minhas babagens voltassem do despacho (coisa que não é nada comum) e me deu uma autorização para entrar na area de desembarque dos voos. Lá fui eu, mostrei a autorização e consegui entrar. Fiquei aguardando as minhas malas aparecerem em uma das esteiras e coloquei meu tripé lá dentro. Juntei as duas malas que ja tinha despachado e lá fui eu despachar tudo novamente.

Eu fiquei enlouquecida com essa situação e não ia deixar o meu tripé ir pro lixo de jeito nenhum. Mas enfim, foi uma correria louca onde acabou dando tudo certo no final. Então para que ninguém passe pela mesma situação que eu, fica a dica.: sem tripé na babagem de mão quando estiver viajando em/para Portugal ou no Brasil!

Tirando o tripé, existe um outro detalhezinho importante que devemos ficar atento na hora de arrumar a babagem de mão: os liquidos!

A primeira vez que viajei dentro da Europa levando somente babagem de mão foi pra Noruega. Eu já tinha lido algumas coisas sobre esse assunto, apesar de sempre ficar em duvida em algumas questões, é na prática é que a gente realmente aprende e nunca mais esquece.

A lista de coisas que não são permitidas carregar na bagagem de mão é grande, mas devemos ficar atentos principalmente aos objetos cortantes (alicate de unha, por exemplo), perfumes e embalagens de produtos liquidos que sejam maiores do que 100 ml (se esses objetos forem despachados, não tem problema, eles podem viajar junto).

Mas o que são considerados liquidos? Além dos liquidos propriamente ditos, os géis e pastas também fazem parte dessa listinha.

Tudo isso deve ser carregado em uma embalagem de até 100 ml e dentro de um saco plástico transparente de até 1 litro. Então no total, todos os nossos produtos liquidos devem somar 1 litro, o que exceder vai pro lixo!

Quatro situações que geram bastante duvida, são:

1) se o fasco for de 250 ml mas só tiver um pouquinho dentro:  não podemos carregar como bagagem de mão! Isso pq o que é levado em consideração é o tamanho do frasco e este deve respeitar a regra de ter o tamanho apropriado para 100 ml e não a quantidade do restinho do que ficou no frascão. Outra coisa que também é importante ficar atento é com relação a pasta de dente. Algumas embalagem são de 120 g e não podem ser carregadas na bagagem de mão, o ideal é comprar as de 90 g, digo isso, pq eu já tive que jogar fora o restinho da pasta de dente de 120 g, pq eu não sabia que pastas em geral estavam enquadrada como líquidos. Quanto ao desodorante, eu costumo usar aqueles roll-on da Nivea que tem exatos 100 ml e nunca tive problemas. Acredito que os desodorantes em spray sejam proibidos, então é bom ficar ligado.

2) Maquiagens e tal: Na minha bolsa eu sempre carrego rimel, batom (seja aquelas manteiga de cacau ou gloss), lixa de unha descartável e pinça de sombrancelha. Nunca tive problemas por estar carregando isso tudo na minha bolsa, mas claro que os limites de embalagem de 100 ml deve ser respeitado.

3) Outra situação que rende muitas perguntas é com relação os produtos que compramos no free shop. Por regra, podemos comprar qualquer coisa no free shop (apenas devemos respeitar a quantidade permitida para comprar cada item), mas tudo o que for comprado lá deve estar lacrado e dentro de uma sacola onde a nota fiscal com o dia da data do voo vai estar grampeada. Claro que existem paises, como o caso dos EUA, que não permitem esse tipo de situação. Não interessa se fizemos conexão em outro país e compramos produtos lá, eles não deixam entrar, pelo menos foi isso que minha professora alertou. Como eu ainda não fui aos EUA, não posso confirmar, mas se tratando de ser esse país, eu realmente não duvido que seja mesmo feito dessa forma!

4) Medicamentos: eu sempre carreguei minha “farmácia de viagem” em um saquinho plástico transparente dentro do bolso menor da minha mochila. Ali era o lugar onde eles sempre ficavam guardados. Claro que eu só levei medicamentos na versão de comprimidos, nunca carreguei xaropes ou coisas do tipo. Eu tinha duas cartelinhas de cada tipo de medicamento que eu costumo usar com mais frequencia, como analgésicos, anti térmicos, antibioticos, entre outros. E nunca tive nenhum problema quando a isso!

Mas e mesmo que eu tome todos os cuidados necessários, se eu tiver algum problema no raio-x, o que eu devo fazer? Não precisa se preocupar. Eu já passei por uma situação dessas no aeroporto em Dublin quando estava voltando pra Edimburgo. A Oficial da Imigração me pediu se eu tinha um guarda-chuva dentro da mochila e eu disse que sim (mas me deu vontade de responder: mas é lóóógico que sim, só chove aqui nesse lugar!). Ela pediu pra eu abrir a mochila e retirar o guarda-chuva para inspeção. Ela passou o guarda-chuva em separado no raio-x novamente, abriu o guarda-chuva, olhou tudo e me devolveu. Isso é um procedimento bem frequente, então não é preciso ficar nervoso!

Então é isso! Se por acaso esqueci de alguma coisa importante, a caixa de comentários está a disposição.

Ah, lembrando que só é permitido um saquinho plástico de até 1 litro por passageiro e que ele deve ser retirado da bagagem de mão na hora de passar pelo raio-x no controle de segurança do aeroporto.

Posts relacionados:

Lista com todos os posts com dicas práticas pra viajar

É possível passar 30 dias na Europa com apenas uma bagagem de mão????

O que levar na mala

Adaptadores e tomadas pelo mundo

Ônibus da linha turismo em Edimburgo

Aproveitando que o assunto dessa semana aqui no blog é sobre ônibus em Edimburgo, vou falar um pouquinho sobre os ônibus das linhas de turismo da cidade.

Assim como os passes que dão acesso prioritário a várias atrações em uma determinada cidade, os passes de ônibus estilo Hop on Hop off também apareceram com tudo e pra ficar. Em Edimburgo existem várias opções de tipo de ônibus que pertencem a linha de turismo da cidade, mas no caso de Edimburgo, será que realmente vale a pena comprar esse tipo de passe?

Depende. Tudo vai depender de alguns fatores como quantos dias vamos ficar na cidade, do real interesse em visitar cada atração ou ainda do estilo de viagem de cada um.

Existem pessoas que gostam de fazer um city tour rápido pra ter uma boa noção da cidade antes de percorre-la a pé. Mas existem pessoas que preferem gastar a sola dos sapatos e caminhar a pé por tudo (eu!).

Sendo assim, ao chegar em Edimburgo é só se dirigir a Waverley Bridge, que é a rua/ponte onde ficam todos os ônibus de turismo da cidade. Tem um guichezinho de madeira ali na calçada onde podemos comprar o ticket e até mesmo obter informação sobre qual é o melhor tipo de ônibus/rota a escolher.

Existem seis opções desses tipos de ônibus e basicamente o que cada uma delas oferece é:

City Sightseeing Tour o tour é feito em um famoso ônibus vermelho com dois andares. O segundo andar é parcilamente aberto. Nesse caso é importante levar em consideração o vento, que mesmo no verão, é bem gelado. Normalmente a grande maioria das pessoas acabam optando por esse tour pq ele oferece um trajeto bem basicão, percorrendo somente a Princes St e a Royal Mile.  Tem audio guia em vários idiomas, mas não tem em português. O tour tem duração de 1 hora e os ônibus partem a cada 20 minutos. Valor 12,00 libras (em 2012).

Edinburgh Tour é o ônibus de cor verde. Assim como o ônibus do City Sightseeing Tour, esse ônibus é de dois andares e o segundo andar tem uma pequena parte coberta e a outra metade aberta. Ele tem praticamente a mesma rota do anterior, mas circula um pouco mais por dentro da New Town. O tour dura 1 hora e tem saida a cada 20 minutos. Valor de 12,00 libras (em 2012).

Edinburgh World Heritage Tour esse tour é promovido pelo escritório do Edinburgh World Heritage. Essa rota é relativamente nova e o estilo do ônibus segue o mesmo estilo do ônibus do City Sightseeing Tour, porém ele pode ser facilmente identificado pq é laranjado. Esse ônibus oferece audio guia em português e (infelizmente) só opera durante os meses em que o horário de  verão está em vigor na Europa. Tem duração de 1 hora e os ônibus partem a cada 20 minutos. Valor de 12,00 libras (em 2012).

MacTours City Tour esse é um tipico ônibus inglês, com um estilão vintage bem bonitinho. Mas ele só opera durante a primavera e o verão. Lembro que quando passava por ele em alguma parada, quase sempre tava lotado. A rota é semelhante as anteriores, circulando somente pela New Town e pela Old Town. Tem duração de 1 hora. Valor de 12,00 libras (em 2012).

Majestic Tour esse ônibus segue o mesmo estilo do Edinburgh Tour só que suas cores são amarela e azul. Esse ônibus proporciona uma viagem mais completa por toda a cidade. Além de percorrer toda a Old Town e o Holyrood Park, ele também passa pela New Town, Botanic Garden e pelo Porto de Leith (esses ultimos dois ficam relativamente mais afastados do centro da cidade). Tem audio guia em português. Valor de 12,00 libras (em 2012).

Forth Bridges Bus e Boat Tour esse tour é feito também por um ônibus double-decker de cor amarelo e azul claro. Ele percorre boa parte da New Town, segue pelo Dean Village, passando pelo Museu de Arte Moderna e termina em South Queensferry, um vilarejo que fica as margens do Firth of Forth e é um dos melhores lugares para ver as Forth Bridges. Ali, próximo as pontes tem um pequeno museu que conta a história da construção dessas duas pontes que ligam Edimburgo a região norte do pais diretamente, sem precisar desviar trajeto pela autro estrada M8 que passa por Glasgow para seguir para as Highlands. Chegando ali, vai ter um pequeno pier de onde partem os barcos que fazem o tour pelo Firth e seguem até a minuscula Ilha de Inchcolm. Valor de 19,00 libras (em 2012). O tour dura entre 2 a 3 horas e as saidas desse ônibus são mais restritas, inclusive ele só opera de março a outubro. Minha opinião: Quem se interessar por tranquilidade e quiser conhecer um vilarejo as margens do Firth, fica a sugestão.

Minha opinião:  o Edinburgh World Heritage Tour e o Majestic Tour são os mais interessantes na minha opinião, pq cobrem áreas que facilmente um turista teria que pegar um táxi ou até mesmo o transporte público para conseguir chegar lá rapidamente.

O Edinburgh World Heritage Tour tem a maior parte do seu trajeto passando pela New Town e muito pouco na Old Town. Ele circula também por um bairro que não é muito popular entre os turistas, o Dean Village (que fica um pouquinho mais afastado da zona turistica) e também faz uma parada no Museu de Arte Moderna.

O Majestic Tour me parece uma boa opção pra quem vai ficar pelo menos uns 3 dias na cidade, já que ele percorre todas as partes da cidade que tem atrações que estão mais afastadas do centro, como por exemplo, o Porto de Leith, o Museu de Arte Moderna e o Royal Botanic Gardens. Em um dia faria esse tour e nos outros dias poderia explorar a pé as partes mais centrais de Edimburgo.

Mas claro que se não houver interesse em visitar o Porto de Leith, o Museu de Arte Moderna e o Royal Botanic Gardens, que são as atrações que estão um pouco mais afastadas do centro turistico de Edimburgo, acho que esses tours podem ser perfeitamentes substituidos por uma boa e longa caminhada pela cidade!

Andando de ônibus em Edimburgo

Na hora de organizar uma viagem, uma das primeiras coisas que pesquiso é sobre a questão do transporte público em geral. Normalmente as capitais e grandes cidades na Europa (e no mundo) oferecem várias opções a seus moradores e visitantes. Independentemente de escolhermos andar de ônibus, trem, metro ou tram, sempre conseguimos no locomover com uma certa facilidade e rapidez e o melhor de tudo, sem decretar falência.

Mas em Edimburgo a coisa é bem mais simplificada. Hoje em dia, se locomover a pé pela cidade é muito tranquilo e até as obras do tram ficarem prontas (previsão para o final de 2014), a unica opção de transporte público em Edimburgo é o ônibus.

Durante o processo de organização da viagem, eu tenho o costume de estudar muito bem o mapa da cidade pra ter um pouco de noção tanto de distãncia quando de localização em si dentro de uma cidade. Muitas vezes quando olho o google maps tenho a impressão de que as distâncias são enormes entre uma atração e outra, mas no caso de Edimburgo, podem ficar tranquilos, é tudo super perto e tudo pode ser facilmente percorrido a pé.

Mas como eu sei que existem pessoas que preferem se locomover sempre de transporte público ou até mesmo, existem pessoas que estão se organizando pra ir morar/estudar em Edimburgo, então acho que esse post poderá ajudar bastante.

Pra começar, a unica empresa que opera o sistema de ônibus na cidade e nas cidades nos arredores de Edimburgo é a Lothian Buses.

Já aviso, exceto na linha especial chamada Airlink que liga o Aeroporto ao centro de Edimburgo, os motoristas não tem acesso ao dinheiro dentro do ônibus, então se a gente não tiver o dinheiro certinho pra colcoar dentro de uma caixinha vermelha, ficamos sem receber o troco. Dito isso, vamos lá!

→ Comprando o ticket

Existem 3 opções para comprar os ticket de ônibus em Edimburgo. São elas:

– Nos escritórios da Lothian Buses no centro de Edimburgo. Eu sei que existem dois escritórios, um fica ao lado da entrada principal da Waverley Station e o outro fica no final da Princes Street sentido West End, mas talvez existam outro.

Legenda: (A) Escritório da Lothian Buses ao lado da Waverley Station (na esquina) e (B) Escritório da Lothian Buses na Shandwick Place.

– Podemos comprar o ticket dentro do próprio ônibus, mas como eu disse anteriormente, é necessário ter o dinheiro certinho, pq os motoristas não podem dar troco. Logo ao entrar no ônibus, vai ter uma caixinha de cor vermelha, a gente coloca o dinheiro lá e retiramos o ticket em uma outra máquininha ao lado.

– E pra quem gosta de facilidade e comodidade, é possível também comprar direto no próprio site.

Devido as obras do tram pela cidade, é muito frequente encontrar infos adicionais nas placas em cada parada

→ Tipos de tickets ou passes

Existem vários tipos de tickets ou passes que podemos comprar, mas vou listar aqui os mais interessantes na minha opinião e pq seria ideal comprar determinado ticket em especifico.

Single Ticket ou Ticket Único: ideal pra quem vai pegar o ônibus pra se deslocar de forma não frequente. Normalmente é aconselhavel comprar esse ticket pra ir até o Porto de Leith ou à Portobello (a praia de Edimburgo). Valor de 1,40 libras.

City Single Ticket: é uma espécie de carnê com 20 single tickets. Quem compra esse tipo de ticket normalmente evita perder tempo e dinheiro comprando dentro do ônibus pq não tem o valor exato do bilhete. Só acho valido comprar esse ticket quem for ficar pelo menos 1 semana e for se deslocar pras partes mais extremas da cidade. Valor de 28,00 libras.

Day ticket: melhor opção, na minha opinião. O Day ticket permite andar de ônibus quantas vezes a gente quiser durante o dia. Então, se no dia tiver chovendo muito ou nevando, pode ser uma boa opção pra se deslocar pra lá e pra cá sem se preocupar. Valor de 3,5o libras.

RidaCard: esse cartão só é interessante pra quem for estudar ou morar em Edimburgo por um tempo superior a uma semana. Pra ter esse cartão é necessário preencher um formulário (que está disponivel online), tirar uma foto 3×4 colorida e levar em um dos escritórios da Lothian Buses pra que eles façam a carteirinha.  Existem varios tipos de tarifas, ai é só escolher a mais conveniente, pagar e carregar o cartão. Valor varia de 17,00 libras (1 semana) a 612,00 libras (1 ano).

→ Como andar de ônibus em Edimburgo

Existem vários tipos de ônibus que circulam pela cidade, sejam os diurnos ou os noturnos, a grande maioria deles seguem o padrão double deckers, ou seja, os ônibus tem dois andares. Então os tipicos “ônibus ingleses” não existem apenas em Londres não, existem em todas as partes do pais, inclusive na Escócia. Ambos cobrem todas as partes da cidade durante os sete dias da semana e 24 horas por dia, então ninguém vai ficar sem sair do lugar por falta de opção.

Pra andar de ônibus pela cidade, é interessante baixar o aplicativo pro celular da Lothian Buses chamado de Bus Tracker – EdinBus. Esse aplicativo vai ajudar a saber qual é a melhor rota a pegar para ir de um ponto a outro dentro de toda a cidade e região. Também é possível ver os trajetos que cada rota percorre e os horários no próprio site da Lothian Buses ou ainda através do Journey Planner que permite buscar a melhor rota. A maioria dos sites das atrações também facilitam nossa vida, indicam quais as linhas passam pela aquela área.

Em cada parada de ônibus existe uma plaquinha bem visivel onde podemos conferir quais as linhas que passam por ali, além de um mapa que mostra bem certinho o trajeto que cada rota faz pela cidade. Cada rota tem uma cor especifica, o que facilita bastante na visualização no mapa.

Nas paradas de ônibus que ficam no centro da cidade e as mais movimentadas tem uma espécie placarzinho eletronico que avisa quanto tempo falta para chegar o próximo ônibus de uma determinada rota. Ai é só aguardar o ônibus chegar!

Um detalhe importante: se o destino final não for a parada final de uma determinada rota, em todos os ônibus existem uma campainha (uma caixinha amarela)  que devemos precionar pra que o motorista saiba que deve parar. Em quase todos os ônibus existe uma tela, tanto no primeiro quanto no segundo andar que vai mostrando o trajeto que o ônibus está percorrendo.

Ahh, existem varias rotas que podem ser interessantes para quem estiver a passeio na cidade, como por exemplo: linha 4 (que percorre a Princes Street), linha 10 (que vai da Princes Street até o Porto de Leith), linhas 15  e 15A (vai até Portobello), linha 23 (vai até o Royal Botanic Gardens) e linha 36 (chega até o Holyrood Park).

→ Horários que os ônibus funcionam:

Os ônibus que circulam por Edimburgo durante o dia iniciam a jornada as 04:00 até a meia noite. Já os ônibus noturnos funcionam da meia noite as 04:15 da madrugada.

→ Outras considerações

Nenhum ônibus tem cobrador e a porta de entrada do ônibus fica no nivel da calçada, não tem degraus pra subir.

Em dias de condições climáticas atipicas, como por exemplo, neve, chuvas muito fortes ou ventanias, é sempre recomendado acompanhar as atualizações pelo aplicativo ou twitter da Lothian Buses. Eles informam sobre atrasos, cancelamentos, alterações de rotas, enfim, esse é um serviço muito útil e que realmente funciona.

Roteiro: EuroTrip 2012

Are yoooouuuu ready?? Please, prepare for take off!! =))

Nossa, nem acredito que esse dia chegou!!! Quando este post for ao ar, espero já ter desembarcado no aeroporto de Heathrow e já ter pego a minha conexão rumo a Zurique, na Suíça!

Claro que o plano inicial dessa viagem não incluia a minha pessoa, afinal, eu já tinha viajado toda a minha cota para os próximos 10 anos, segundo o meu pai. Mas seria impossível eu me conformar calada, bati o pé e consegui! Eu vou também! o/

Não teria a menor graça eu organizar toda a viagem pra eles, comprar todos os tickets e ficar de fora, não é mesmo?

Essa viagem vai ser em familia, portanto, estaremos em 5 pessoas no total, além dos meus pais e meu irmão, a minha cunhada vai também!

Nós resolvemos fazer trechos diferentes com cias aéreas diferentes pq apesar da viagem ser em familia, o final dessa viagem não vai ser o mesmo pra todo mundo.

Sendo assim, eu vou viajar de British Airways e o restante do pessoal vai de TAP. Ambos vamos precisar fazer conexão para chegar no nosso destino final (ou seria incial?) que será Zurique, na Suíça.

Então, o roteiro dessa viagem ficou assim:

– 4 dias na Suíça (na parte alemã do país), com direito a um day trip para o Liechtenstein. Ainda vamos assitir um espetáculo de ballet por lá também;

De Zurique vamos pegar um trem com a SBB até Salzburgo, na Áustria.

– 4 dias em Salzburgo, sendo que ficaremos 2 dias inteiros na cidade e nos outros dois dias faremos passeios pela região;

De Salzburgo até Viena vamos nos deslocar de trem também, dessa vez vamos com a empresa austriaca ÖBB.

– 5 dias em Viena, onde ficaremos 4 dias inteiros na cidade e um dia vamos para Bratislava, na Eslováquia. E realizando o sonho da minha mãe, vamos assistir um concerto na Sala Dourada, no Musikverein.

A partir desse momento, a viagem vai ter duas direções:

– meus pais, meu irmão e minha cunhada seguem para Praga, antes de pegarem o voo de volta ao Brasil;

–  e eu? bom, a minha viagem ainda não termina por aqui.. vem mais coisas por ai! No momento certo eu conto os detalhes!

Ah, e pra quem acha que o blog vai ficar as moscas nesse tempo da viagem, o blog não vai ficar abandonado não. Alguns posts estão programados para ir ao ar nos próximos dias. E o assunto? Edimburgo e Paris!!

Obs.: no decorrer da viagem, quando possível, eu vou atualizando o Facebook e o Twitter com as novidades!

%d blogueiros gostam disto: